sexta-feira, 22 de maio de 2009

O CASO DA PROFESSORA DA ESCOLA DE ESPINHO


Pela sua especificidade, O "caso da Professora Espinho" merece algumas considerações.
Mas, e principalmente, após algumas críticas que tenho vindo a receber na sequência das minhas declarações no debate televisivo de ontem, promovido pela "Porto Canal" integrado no programa PSI.
Não porque tenha que me justificar perante alguém.
A minha vida profissional e o meu percurso falam por si.
Acresce que cheguei a uma fase da minha vida em que faço aquilo que acho que devo, independentemente de já não achar necessário tentar agradar a gregos e a troianos, como soi dizer-se.
Mas a minha ética e, acima de tudo, a minha consciência, exigem que preste estas informações.

Eu considero que a professora da Escola EB 2/3, Sá Couto de Espinho falhou redondamente.
Digo-o e assumo-o.
Porque considero que o acto de docência deve ser um acto de informação/formação.
Porque considero que ser docente não pode, jamais, ser um exercício de poder, balofo, ufano e ridículo. O acto de docência deve ser, principalmente, integrador, protector e dialogante e não intimidatório e persecutório.
Porque considero que a Professora em questão praticou um atentado ao conceito de urbanidade e de cidadania dos adolescentes.
Porque considero que abordou questões do âmbito sexual dos jovens em presença, de forma grosseira e invasiva, quase pornográfica e fê-lo, também, com espírito de chantagem.

Questiono também o posicionamento dos adolescentes em questão que, em conluio com os pais, decidiram gravar em audio uma aula, sem prévio consentimento nem informação e, também, como forma de ataque à docente em questão.
Considero, ainda, que os adolescentes portugueses já não são os anjos barrocos de longos cabelos dourados em cachos, de olhar etéreo e pueril. Os adolescentes e jovens, inseridos na modernidade, sabem ser maquiavélicos e perversos.

Questiono, ainda, o posicionamento do Conselho Executivo da Escola que aguardou três anos para tomar uma medida, dado que este assunto já era conversa de corredores, há largos tempos.

Questiono, ainda, se este titubeamento de posição esteve relacionado com o facto de se encontrarem em processo eleitoral para os Orgãos Executivos da Escola.

Questiono, ainda, a enorme falta de dados e detalhes com que este assunto tem vindo a ser lançado para a praça pública, ameaçando ser um linchamento na praça.

Questiono, ainda, o voyeurismo com que a Imprensa tem aludido ao caso, numa nítida falta de ética, seguindo a máxima romana de "sangue, suor e arena".

Questiono, ainda, o poder político, que ao abrigo de interesses escusos, tem aproveitado, por um lado, para criticar o acto da docência e os seus profissionais e, por outro lado, volta a recolocar na agenda política a existência ou não da Educação Sexual, aproveitando este exemplo para tentar denegrir de forma cobarde, ínvia e escusa, a urgência da criação da Educação Sexual nas Escolas, de que os nossos jovens e professores tanto necessitam.

Em jeito de conclusão aproveito para chamar à colação o facto de a docente ter abordado questões de sexualidade na aula de História, precisamente ao abrigo da Lei que eu tanto critico e que consigna a transversalidade da referida abordagem, permitindo que em todas as disciplinas possam ser abordadas questões sobre Sexualidades por profissionais não especificamente preparados nem formados na área.

11 comentários:

lumiere disse...

a serio passo-me cada vez mais com este lugar plantado a beira mar
eu sou uma pessoa que tem o maximo de respeito pela classe de docentes, dado que a minha cara metade é professora
estando como fotografo freelancer tenho fontes que muitas veze me relatam casos que sao de bradar aos ceus
ha docentes e docentes
o professor é um dos casos aonde os alunos tem orgasmos cerebrais so de assistirem as suas aulas
da prazer assistir as suas aulas
mas sabe que muitos dos seus colegas dao aulas que mais parecem verdadeiras torturas.
nas voltando ao tema
vamos as mentiras que andam ai a rondar
1ºNa gravação feita por uma aluna, ouve-se Joaquina Rocha a desafiar os alunos para que contem como perderam a virgindade.in http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1381703&idCanal=58
a senhora chama-se josefina e nao joaquina
2º "A escola abriu de imediato um inquérito à actuação de Josefina Rocha e a própria ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, referiu ontem que o comportamento da professora “não é corrente, nem normal, nem de regra”. Anunciou ainda que está também a ser averiguado se o estabelecimento de ensino agiu prontamente. " in agencia lusa
foram precisos tres anos, sim tres anos para que o concelho executivo da escola tomasse alguma decisao e isto pk foi a comunicaçao social a publicar
3ª"Em declarações à Lusa, a Associação de Pais saudou, esta terça-feira, o conselho executivo por suspender a docente, acusada de falar de sexo nas aulas «em termos inapropriados»." nao foi a associaçao de pais mas um pai que nem parte da direcçao de pais faz parte
4º a conversa nao veio ao acaso, sei pelas minha fontes que as perguntas que foram feitas a docente em questao e que nao passaram na imprensa ja vieram programadas de casa e
5ª alunas exemplares? uma ova que eram "Já um aluno da turma diz que as colegas "provocavam a professora". "Andaram a dizer que o filho da professora dizia que tinha apanhado os pais a ter relações sexuais".in http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1237884&seccao=Norte

lumiere disse...

6º "O instrutor do processo disciplinar à professora suspensa da Escola 2+3 Sá Couto, em Espinho, foi afastado do caso. Ao que o CM apurou, em causa estão as declarações feitas pelo docente à Comunicação Social, nas quais assumiu que Josefina Rocha já tinha sido chamada à atenção diversas vezes, mas por questões administrativas.." in http://www.correiomanha.pt/noticia.aspx?contentid=34148E73-9B91-488A-8738-E71E6479B710&channelid=ED40E6C1-FF04-4FB3-A203-5B4BE438007E
de fonte segura sei que a senhora que ia ser instrutora do processo nao se da bem com a professora e isto é do conhecimento da escola pelo qual foi a prorpia escola a pedir que fosse outra pessoa.


bem professor jovens anjos barrocos diga-se se existir algum pois temos que o preservar
a juventude de hoje em dia anda perdida! será a culpa de serem a geraçao televiçao ou morango com qualquer coisa
ou sera de fazerem o que lhes da na telha e os pai pra nao se chatearem nem dizerem nada?
a mim sempre me ensinaram que a educação começa em casa, mas pelos vistos estes valores perderam-se


a presidente do concelho executivo ao que é transparecido por pessoal docente e discente da escola em questao é uma pessoa que nao sabe bem o que fazer nas horas de aperto

o caso veio a publico de um momento pra o outro
e tenho a dizer-lhe que a forma de como a noticia apareceu é estranha
quer-se dizer como é que da noite pro dia isto aparece em tudo quanto é sitio
e como é que logo na segunda de manha é publicada uma noticia com um video e ja ten uma entrevista com a professora ?
deixa-me a pensar
eu ando nisto de jornalista freelancer ha pouco tempo mas nao sou loiro nem burro
mas andamos a brincar ou o que?

un anonimo deixou isto no blog do jornal de espinho
"O antecente do "gravador" vai servir para quando os meninos e meninas não gostarem dos professores, vão para as aulas são mal educados e depois marcam o dia e hora de gravar "quando acharem que a paciência esgotou". Não estou "de maneira nenhuma" a dar razão á professora, mas esses pais devem achar que têm anjinhos em casa........
"
"Sem querer fazer a defesa da professora, é este ensino que o Governo dá aos filhos deste País.. Os alunos não são santos tem a escola toda e não é fácil ser-se professor, para além de ter de os passar "sem saberem nada" que é para as estatisticas, o que faz com que os alunos vão ás aulas para isto...Vão ser estes os futuros licenciados do País??"

eu assino por baixo
um grande abraço caro amigo
e desculpe la a extensao do texto

Manuel Damas disse...

Esteja à vontade meu caro lumiere.
Concordo com a maioria dos argumentos que expõe.
Um grande abraço

Gundemarus disse...

Nao podia estar mais de acordo contigo meu caro amigo. Em efeito, os teus argumentos sao sólidos e bem explicitos.
Culpas podem-se repartir de parte a parte, mas há que ter em mente a responsabilidade que cada uma das partes tem, e quem pode permitir-se ser irresponsável, e quem por outro lado tem a solida obrigaçao profissional de o nao ser.
Um abraço enorme!

Manuel Damas disse...

Tenho também que concordar contigo.
Um grande abraço Gunde...

navegadora disse...

Quando se perde e descernimento, quando se perde o respeito e a responsabilidade pelas funções de cada um( professor/aluno/ pais e executivos/ orgãos de comunicação e sociedade em geral)nada fica por dizer. Perde-se o essencial...discute-se o acessório...dá jeito "discutir pessoas...para não discutir ideias". quem ganha com isso? poucos e momentaneamente...quem perde? Todos e por tempo indeterminado...Parabéns pelas suas ideias claras e pela frontalidade com que afasta o nevoeiro que tolda a visão a tanta gente. Um beijo...grande.

cristina disse...

Meus caros amigos

De uma forma geral concordo com o que é referido nos textos que escrevem, mas pergunto. Está toda a gente muito preocupada com o facto dos jovens terem utilizado o gravador como meio de prova, mas se assim não fosse, será que a palavra deles teria a mesma força que a da senhora que nem por esse nome merece ser chamada? Na realidade já todos na escola sabiam que a senhora tinha o tipo de comportamento que todos vimos e ouvimos e ninguém fez nada. Se os alunos não tivessem tirado partido do gravador continuariam a ser alvo de maus tratos por parte da senhora que não merece ser apelidada nem de professora, nem de doutora. Uma vergonha!!! Não queiram agora mascarar a situação e a gravidade dos factos desviando atenções para o uso do gravador.

Um abraço a todos

Manuel Damas disse...

Um beijo grande nav e obrigado por voltar!
:))))

Manuel Damas disse...

Oh Cristina...
Prestou atenção à manifestação que foi convocada pelos alunos de apoio à professora?
:)))))
Um beijo grande

lumiere disse...

cara cristina acho que nao anda mesmo a ver ou a ler as mesmas noticias que nos
caso nao saiba há um movimento de alunos da eb 2 +3 sa couto de apoio a professora
alunos , sim alunos leu bem

Manuel Damas disse...

DE qualquer modo, lumiere, ambos sabemos que hoje em dia se organizam marchas de apoio, com a facilidade de uma sms...nem que seja para apoiar o tigre da Tasmânia...
:)))))))))))