sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

BREVES...


Até agora são já, 10.000 professores na rua, em manifestações e , o que se torna mais grave, porque sintomático da situação, é serem manifestações espontâneas, sem a sintonia ou a directiva dos Sindicatos. E esta característica é alarmante porque significa que a classe docente está mesmo descontente e avança para as manifestações, de motu proprio!
Eu, enquanto Dirigente Sindical mas também Docente e, acima de tudo, Pai e Português, já uma vez sugeri, numa Assembleia Geral a que presidia e volto agora a sugerir...O uso da bomba atómica que, em termos de docência, é mesmo a Greve às avaliações...Pode ser que assim o Governo, autista sobremaneira, se aperceba de que a situação é de extraordinária gravidade e inverta as suas posições.


Agora até Ana Benavente, antiga Secretária de Estado da Educação, em Governo do PS, diz que a Ministra da Educação se deve demitir. Ainda que ideologicamente distante, louvo o sentido crítico em termos de análise e de independência de Ana Benavente!


António Nunes, o Presidente da ASAE vem, uma vez mais, discursar e...dizer aleivosias.
Diz Nunes " O papel da ASAE não é fazer Pedagogia!"...
Asneira, meu caro!
Asneira total e grave.
O papel de qualquer autoridade deve ser, sempre, e em todo o momento, acima de tudo, fazer Pedagogia.
O Papel da autoridade não deve ser apenas de castigar mas sim, de fazer cumprir a lei mas, acima de tudo, ensinar a cumpri-la, por um lado e, por outro, explicar da razoabilidade da mesma lei.


Um pescador ferido, com receio de ter que pagar mais de cinco mil euros pelo socorro aéreo, preferiu ficar quatro horas à espera, com um braço partido em diversos sitios, e fazer a viagem de regresso no seu barco a terra e então sim ser conduzido pela ambulância até ao hospital da sua residência!
Isto é animalesco!
Somos um País da UE?


Depois deste quatro exemplos acima expostos apenas pergunto...

Portugal, para onde vais?

"SEXUALIDADES, AFECTOS E MÁSCARAS"-23ª emissão


Logo irá para o ar, às 0.30, na Porto Canal, mais uma emissão do "Sexualidades, Afectos e Máscaras", a 23ª, desta vez subordinada ao tema "Violência nas Relações".
Um tema pesado e polémico.
A violência física versus a violência psicológica.
A violência nas relações afectivas versus a violência nas relações sexuais.
A violência desejada.
A violência consentida.
A violência provocada.
O sado-masoquismo.
De tudo isto e muito mais se falará neste que é o único programa que, em Portugal, em televisão, aborda, em directo, problemas e questões das Sexualidades e dos Afectos.
Apareça...
Verá que vai gostar.
Serão temas abordados de forma informal mas séria, a sorrir, mas de forma científica e pedagógica. Acima de tudo, com o sentido da responsabilidade e da entrega sem, contudo, esquecer, que se trata de uma tertúlia de fim de semana, entre amigos.
Até logo!

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

FRANCISCO GEORGE...DE NOVO!


Eu não tencionava falar de novo da "criatura esverdeada"!
Até porque já tinha falado demais e, ainda por cima, contrariado, da dita cuja avantesma.
Mas, eis senão quando, a criatura do demo põe-se a jeito e volta a tentar tirar-me do sério.
Diz FG...

"Identificar os fumadores é dever de todos os médicos!"

Ou seja, acha a criatura que a totalidade dos 35 mil médicos deve identificar os seus pacientes fumadores e começar um trabalho no sentido da cessação tabágica, segundo afirmou.

Mas a que método estalinista chama Francisco George "identificar"?
Foi assim que na Alemanha nazi Adolf Hitler começou por fazer a todos os judeus...Identificá-los!

Sorte tenho eu, que não fumo!

Disse ainda que qualquer médico "deve" fazer aconselhamento para que os seus pacientes fumadores o deixem de fazer.

Mas a criatura ensandeceu?
Por acaso recordar-se-à, Francisco George que ainda vivemos num país democrático?...ainda que eu ache que, por este andar e com esquizoides atitudes destas a questão não se colocará por muito tempo.

Meu caro Senhor Director-Geral da Saúde, Francisco George de seu nome...não se lembre o seu Gabinete de editar uma qualquer circular nesse sentido, a título de recomendação-ordem...Teria todo o prazer em lhe responder com uma gargalhada de desdém e desprezo...

E ainda não se lembrou a socretina criatura de mudar FG da Saúde para presidente da ASAE.
Aí sim, seria o dois em um, na perspectiva socialista da questão...

Freud dizia que os homens gostavam de carros grandes porque tal facto estaria directamente relacionado com o tamanho diminuto do seu pénis...
Com toda esta falácia, qual será o problema de FG?

ASAE DE NOVO...


A ASAE decidiu proibir que se venda milho a peso nas mercearias!
Mesmo que o referido cereal sirva, apenas, para alimentar as galinhas!
A ASAE decidiu que este milho tem que estar acondicionado em sacos de cinco quilos, hermeticamente fechados e que os clientes, quando quiserem comprar milho para alimentar as suas "aves de criação", têm que comprar aos sacos de cinco quilos.
Mesmo que apenas tenham um garnizézito, magrinho, pindérico, a morrer de quase tísico...
Pois!
Mesmo nesse caso...vão ter que comprar um saco de cinco quilos, hermeticamente fechado. Mesmo que o garnizé decida falecer no dia seguinte...
O saco servirá sempre para um bom momento de decoração e, no mínimo, cumpriu-se a lei que uma entidade estapafúrdia, acéfala, abrutalhada e socialista, decidiu cuspir para o ar.
Já aqui perguntei e volto a perguntar...
E não me cansarei de o continuar a fazer!


Onde estão os 46 milhões de euros apreendidos em artigos, em 2007?

SOCRETINICES...


A Direcção-Geral do Património vendeu, por 714 mil euros o Palácio de Belmarço, em Faro, imóvel que a Câmara Municipal de Faro tinha cedido ao Ministério da Justiça para instalar o Tribunal da Relação.
E o Presidente da Câmara não sabia de nada!
Leram bem.
Mas eu explico melhor...
1-O Governo quis, através do Ministério da Justiça, instalar um Tribunal da Relação em Faro.
2-A Autarquia resolveu oferecer um Palacete que tinha disponível, para os referidos fins.
3-O Governo recebeu o Palacete e depois decidiu vendê-lo e arrecadar o dinheiro...e não deu,sequer, qualquer satisfação à Câmara Municipal, o verdadeiro dono e que caiu na esparrela ao fazer de otário e dando a outro o que lhe fazia falta...e o outro iria vender, lucrando com um bem que, na realidade, não era seu !
Botswana?
Não!
Jamais!
Nos países africanos, por mais pobres que sejam, preza-se a dignidade.
Portugal, apenas, em 2008.
Ou seja...
O Governo Socialista no seu melhor...sem regras, sem princípios, sem decência!
Socretino no seu máximo expoente...

PRÉMIOS...




A "Blue Velvet" Blue Velvet que é uma tontinha, no bom sentido, obviamente, acordou e disse...
"Hoje vou fazer um tiroteio de prémios!"
E, se bem o pensou, melhor o fez!
E foi disparar em todos os sentidos e direcções.
Eu, aqui escondido no meu canto, pensei ter escapado ao tiroteio mas, afinal, havia uma data de balas com o meu nome inscrito.
Assim sendo, recebi...

O Prémio "Blog da Amizade"...


E que vou atribuir a...
Coisas de Vidas
DarkluoS
Não Incomodar

O Prémio "Este Blog é Escrito com Amor"...


E que vou atribuir a...
Blog da Parva
Pequenos Nadas
Happy even when it rains

O Prémio "Este é um bom blog, porra!"


E que vou atribuir a...
A vida vista de um plástico
Broncas do Camilo
Pé Vestido

O Prémio "Este blog é 5 estrelas!"


E que vou atribuir a...
Sempre por Perto
Riscos de vida
"Rabiscos da =^.^="

O Prémio "Amigão"


E que vou atribuir a...
"O Silêncio Culpado"
O Sabor Da Palavra
Lua Cheia

O Prémio " Power of Schmooze"


E que vou atribuir a...
Arroz do Céu
Palavras e Rabiscos
O ultimo pingo

E pronto...Penso que consegui terminar esta tarefa dantesca.
Até à próxima...

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

DESAFIO...


A coragem do Riscos de Vida fez -me um desafio a que eu respondo da seguinte forma...

Se eu fosse:

Um mês seria... Maio(mês florido e eu gosto de flores e de cor)
Um dia da semana ... Sexta-feira( o fim de semana mas, em simultâneo o início do fim de semana e, desde há 23 semanas para cá, o dia em que vai para o ar na Porto Canal o meu programa televisivo "Sexualidades, Afectos e Máscaras"
Um número ... 3
Um planeta ...Neptuno( porque relacionado com o Mar)
Uma direcção ...Em frente...(sempre!)
Um móvel ...Uma mesa, sem qualquer dúvida( à mesa come-se... à mesa dialoga-se... à mesa trabalha-se... à mesa ama-se... à mesa negoceia-se... à mesa vive-se!)
Um liquido ... Água ( acima de tudo e sempre a água. Fundamental para mim...até porque sou Aquário. A calma da água, a transparência da água, a carícia da água. Mas, de repente, a água esvai-se...foi-se! Ou, então, a fúria da água, o escuro da água...)
Um pecado ... Não acredito em pecados. Mas se sexualdades fôr "pecado" , então sexualidades, sem qualquer hesitação!
Uma pedra ... Mármore(belo, perfeito, frio, inerte, majestoso!)
Um metal ... Prata(magnífico, frio também e permite quase atingir a perfeição!...)
Uma árvore ... Pinheiro(de Natal e com neve...)
Uma fruta ... Morango(delicioso se com natas e com quem se ama!)
Uma flor ... Rosa(sempre!Há rosas deliciosas que nem sempre são de rosa, sequer!Um verdadeiro monumento à perfeição e à beleza!)
Um clima ... Mediterrânico( não gosto de demasiado frio...não gosto de demasiado calor)
Um instrumento musical ... Piano(sem qualquer hesitação. O piano é delicado, é sensual, é romântico, mas é áspero, agressivo, tronituante, quando se enfurece!)
Um elemento ... Fogo(adoro ficar parado a ver as chamas...Atraiem-me tanto como as ondas do mar...)
Uma cor ... Preto(com o preto nunca me comprometo, disse Hermínia Silva e eu concordo...dispenso o pormenor de ser em vestido!)
Um animal ... Pantera negra ( uma delícia de majestade, poder, beleza, mistério, terror...)
Um som ... De uma lágrima a cair num lago de lágrimas...=dor e sofrimento!
Uma canção ... As quatro estações de Vivaldi...mas também o "Barcelona" pelas vozes Monserrat Caballé e Freddie Mercury...nesta área sou muito eclético.
Um perfume ... forte, a madeira e especiarias...O "Aramis" ou o que uso no momento, o mais recente da Chanel -"Platinum"
Um sentimento … Afectos
Um livro … Eça de Queirós, sempre. Quase sempre Oscar Wilde. "Memórias de Adriano" da Marguerite Yourcenar.
Uma comida … Doces...todos ou quase todos
Um lugar ... Nova Iorque, sempre. Lac Noir, na Suiça, só com neve. Paris, ao entardecer, junto ao Sena. O meu Porto, quase sempre!
Um gosto ... Doce, obrigatoriamente.
Um cheiro … Rosas...de preferência em essência
Uma palavra … Tranquilidade
Um verbo ... Amar
Um objecto … O meu carro...com ele fujo, com ele voo...e não só!
Uma peça de roupa ... Camisas, sempre, de marca (ok, confesso, sou um consumista e um marcas "adict"...
Uma parte do corpo … Mãos, sem qualquer dúvida (definem um ser e estar)mas, sempre e obrigatoriamente, os olhos...num olhar eu mergulho e descubro...o que quero ver e, muitas vezes, aquilo que não queria ter visto...)
Uma expressão … Calma e tranquilamente
Um desenho animado … Asterix e Obelix
Um filme … Drama, Comédia, Acção, Musical...Precisam de ser bons filmes! Saliento, por acaso, o "Moulin Rouge" ou, muito mais recentemente, "La vie en rose", mais conhecido por "La Môme!" e que vi muito antes de ser falado ou de ser pensado para os Óscares, durante uma das fases senão a fase mais difícil da minha vida...há meia dúzia de meses.
Uma forma … Redonda(sempre igual, seja qual fôr o ângulo de visão ou de abordagem!)
Uma estação … Outono( a queda da folha, o romantismo inerente, a beleza de um por do sol à beira mar, no Outono...inegualável!)
Uma frase … O que merece ser feito...merece ser bem feito!(tem-me guiado ao longo dos anos e das fases!)
Ufa...
Doeu!
E agora, vou nomear, como se impõe, 5 Blogs...
É exigido, neste desafio convidar 5 Blog's a mostrarem o que valem. Serão eles:

Blue Velvet
This planet says
Happy even when it rains
DarkluoS
Inquietude

Boa sorte!

DESAFIO...


A minha querida "parvinha" do Blog da Parva decidiu lançar-me um desafio.
O que é pedido no desafio é que enumeremos 6 aspectos (particulares, peculiares ou característicos) dos nomeados. Vamos lá...


1º- Sou um Homem de Afectos. Adoro dizer e sentir expressões como "Amo-te!", "Adoro-te!", "Amoro-te!", "Gosto de Ti!", enfim, adoro expressar os meus Afectos. Talvez porque, durante anos e anos fui ensinado que os Afectos não se exprimiam, não se manifestavam, não se comentavam e, principalmente, não se verbalizavam, a não ser num contexto muito específico. O dizer "Amo-te!" era, ao abrigo dessa suposta voz universal, sócio-cultural generalizada, era uma coisa própria de mulheres. Os homens não amavam. Os homens não gostavam. Os homens não choravam. Os homens não se tocavam, com Afecto, entre si. Enfim. Memórias de um tempo que me revoltam e quase enojam. Mas, finalmente, lancei o meu Grito do Ipiranga. Deixei, há muito tempo, felizmente, de ter vergonha de expressar os meus Afectos. Passei a ter, inclusivé, orgulho e vaidade neles e em expressá-los.


2º- Adoro dançar. De tudo ou quase de tudo. Tenho de confessar que me sinto totalmente incapaz de dançar ao som de um "Bailinho da Madeira", de um "Bacalhau quer alho" ou de músicas do Marco Paulo. Para lá disso, tudo que seja música, faz com que fique com o pezito aos saltos. Adoro valsas, tangos, passodobles, rumbas, cha-cha-cha, swing, rock, reggae, hip-hop, pop, enfim...Adoro música e tenho muita mas muita saudade de já há muitos anos não sentir o prazer de me sentar a um piano e deixar fluir os dedos, a memória e os sentimentos.


3º- Adoro estar sentado à beira-mar e digo sentado porque quando estou junto ao mar estou para ficar e, como tal, é melhor estar sentado. Junto ao mar sonho. Junto ao mar deixo voar o pensamento. Já ri junto ao mar. Já chorei junto ao mar. Já gritei junto ao mar. Já praguejei junto ao mar. Já amei junto ao mar. Já odiei junto ao mar. O mar é o meu porto de abrigo, o meu confidente, o meu conselheiro. Não consigo viver sem, quase diariamente, ir até ao mar.


4º- Adoro palavrar. Na forma das crónicas que escrevo, das conferências que faço, das aulas que dou, dos programas que faço, agora de televisão e outrora de rádio, dos posts que deixo no meu blog e nos blogs de amigos. Adoro conversar, falar, discutir, trocar ideias, argumentar. Mas também sei e gosto de ouvir.


5º- Adoro mimos. Com mimos conseguem tudo de mim. Absolutamente tudo...desde que pedido com modos, com meiguices e com carinho. Chego a ser um melado em exagero, mas sou assim e não é por mal. Adoro beijinhos, miminhos, carinhos. Derreto-me total e completamente com e por um mimo.


6º- Adoro Arte. Passo-me completamente com um quadro, uma escultura, uma obra, uma música, um concerto, um bailado, uma ópera, um livro, uma frase, uma paisagem, um olhar, um sorriso...e tenho enorme pena de não ter jeito para as artes, ainda por cima não cumprindo o percurso habitual na família mas...em todas a famílias há um patinho feio...

Agora que o desafio já está cumprido resta-me passá-lo a seis novos candidatos e são eles...

O Último Pingo
Palavras e Rabiscos
De Allen Girll para MJ
Psimentos
A vida vista de um plástico
Zé do Cão

RECEITAS MÉDICAS...


São aos milhares!
Até eu próprio já fui vítima!
Desde que o Ministério da Saúde contratou uma empresa privada, a Confact, para conferir o receituário médico, o problema agravou-se de forma dramática.
Falo das receitas devolvidas pelos serviços centrais às diversas farmácias nacionais e, em consequência, aos utentes.
Ao longo dos anos, a verificação do correcto preenchimento do receituário médico era efectuada nas Administrações Regionais de Saúde. E, logicamente que não estou a falar da medicação e respectiva posologia, mas do preenchimento burocrático da receita.
Com o tempo, os respectivos funcionários foram-se habituando a contemporizar com erros frutos visíveis de diversos condicionantes específicos e, alguns mesmo, próprios de épocas específicas.
Recordo, por exemplo que no início de cada ano há a tendência, quase inata, de ainda datar com o ano anterior o que implica, obviamente, uma imediata correcção e, em consequência, uma rasura.
Pode ainda o número de utente não vir escrito com a mesma letra...significa que quando o doente foi à consulta não trazia o cartão de utente e, como tal, o médico, com o intuito de facilitar, passou a receita, permitindo, e na minha perspectiva, de forma perfeitamente lógica e humanizada, que o paciente, quando chegasse a casa, acrescentasse, pelo seu próprio punho, o dito número.
É uma questão de não querer complicar ao vida aos doentes, nesta época tão atribulada. Ao fim e ao cabo é apenas um número de identificação e, aviso antecipadamente, vou continuar a fazê-lo e não será nenhum governante, mais novo ou mais velho, mais socialista ou menos, mais da Covilhã ou do Porto, que me irá impedir de ser solidário com o acto de estar doente!
Até porque desde que regressei dos EUA que não faço Saúde Estatal...
Até porque não estamos a falar de assinar receitas, quais plantas de construcção, por outros...isso sim corrupção de alto nível.
Apenas falo de um número que se acrescenta ao chegar a casa, porque na precipitação o doente se esqueceu do referido cartão!
Até porque eu não estou médico...eu sou médico e há 20 anos!
Mas continuemos...
Ou até a especialidade médica não vir escrita por extenso!
Pois são destes exemplos de rasuras, de "lana caprina", que têm sido os motivos para estarem a ser devolvidas receitas, aos milhares, a uma velocidade dantesca, entupindo todo o sistema, causando inúmeras dificuldades e complicações aos utentes e aos profissionais de saúde, fruto de um suposto profissionalismo, acéfalo, estúpido e cego, incompreensivo, quase animal.
Alguém diria..."O socialismo no seu melhor!"...
E, a isto, os responsáveis nada dizem!
Há quem sugira que por detrás de tudo isto estão inconfessáveis questões financeiras até porque, muitas vezes, é o próprio utente que decide abdicar da comparticipação e pagar a totalidade do custo dos medicamentos, evitando o moroso ritual de voltar a iniciar todo o processo.
Acresce o facto de que se a receita tiver sido emitida num qualquer serviço de urgência é praticamente impossível ou, pelo menos, de extraordinária dificuldade, conseguir voltar a encontrar o clínico em questão, tendo em conta a rotatividade dos escalonamentos.
E, nos últimos meses, foram devolvidas 50 mil receitas!
A isto eu chamo demoníaco!

FIDEL CASTRO


O número é assustador, e quase incompreensível para quem, como eu, não acredita em suposta Magia Negra.
Mas,por vezes, existem situações que surpreendem e ultrapassam a barreira do normal e do aceitável.
O número é, na realidade, incongruente.
634 operações!
Fidel Castro conseguiu escapar a 634 operações especiais destinadas a eliminá-lo!
Sim!
634...
Fatos de mergulhador contaminados, emboscadas de rua, operações suicidas, gelados de chocolate envenenados, granadas, em vez de bolas, nos estádios de basebol, bombas nas canalizações, emboscadas em hospitais e cemitérios, armas de longo alcance, bombardeamentos na praia, charutos envenenados, morteiros, bazucas...
É uma lista interminável de métodos representando idêntico número de tentativas, sempre falhadas.
E estas são as tentativas que foram, agora, divulgadas.
Quantas terão sido as outras?
Mesmo assim, só resta uma conclusão possível...
Se a protecção não foi divina, então foi demoníaca!

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

FRANCISCO GEORGE


A Direcção-Geral da saúde (DGS) na pessoa do seu Director Geral, Francisco George, quer que a ASAE efectue a verificação do cumprimento de lei do tabaco, através de testes de fumo e que tal aconteça prioritariamente em locais para fumadores sem separação física das áreas para não fumadores!

E eu estou totalmente de acordo!
E digo mais...
Se for encontrada uma única partícula de fumo, os responsáveis devem ser chicoteados na praça pública e quiça proscritos!
São diabólicas criaturas, estes fumadores, que deveriam ser executados em público ou, no mínimo, castrados!

Francisco George já devia ter percebido que exageros,em praça pública, são sinónimo de distúrbio. Se não o sabe, pelo menos o seu psiquiatra já lho devia ter aventado!
Até porque a "sharia", para os fumadores, ainda não está em vigor em Portugal!
Além de que tanto fundamentalismo raia os limites do distúrbio de comportamento.
O mal do Mundo não se focaliza nos fumadores...
Não são eles os responsáveis pelos acidentes, pelas violações ou pela injustiça mundial!

Por vezes, ortodoxias exageradas, necessitam de tratamento....
E, para todos os efeitos, apesar do que gostariam alguns, ainda estamos numa democracia e, os detentores de cargos públicos são pagos por todos os cidadãos, fumadores incluídos!
Estou à vontade...Já não sou fumador há mais de meio ano, mas não me tornei fundamentalista nem me tornarei nunca. Orgulho-me de ser mentalmente equilibrado.

LOONEY TUNES...


Celebram-se hoje os 100 anos do nascimento, a 26 de Fevereiro de 1908, na cidade de Taylor, no Texas, de Fredrick Bean Avery, mais conhecido por Tex Avery.
Tex Avery foi um dos maiores génios do cinema de animação.
São da sua autoria personagens bem conhecidas da BD como...
Bugs Bunny

Woody Wood Pecker

Daffy Duck

Droopy

E tantas, tantas outras...


Falecido a 26 de Agosto de 1980 deixa ainda presentes nas televisões de todo o Mundo e no imaginário de muitos milhões de pessoas rituais e frases míticas como a imortalizada por Bugs Bunny

"What's up, Doc?"

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

CUBA


Em Cuba o regime segue o caminho habitual, passando o poder de um irmão para o outro.
Assiste-se, assim, a uma mera troca de nomes, de Fidel para Raul, sem se desenhar uma qualquer hipótese, por mais remota que seja, de alteração, de refrescamento, de abertura ao exterior, ou seja, o "diktat" mantém-se, quer em termos de política interna, quer externa.
Raul Castro é um homem do regime, tendo sido nomeado Primeiro Vice-Presidente do Conselho de Estado e Chefe das Forças Armadas em 1959!
Raul era, até agora, o Ministro da Defesa há mais tempo em exercício no Mundo, mais precisamente há 49 anos...
Surpreende, todavia, pela negativa, a nomeação de um novo Primeiro Vice-Presidente ultra-ortodoxo, ideólogo do regime, Jose Ramon Machado, de 77 anos.
Nem aqui se visualizou uma réstia de luz...
Mas, se alguma dúvida houvesse acerca da direcção que o regime iria seguir, Raul Castro exterminou qualquer ilusão no seu discurso de tomada de posse.
Afirmou ele...

"Assumo a responsabilidade que me foi confiada com a convicção de que(...) o Comandante Chefe da Revolução Cubana é único, Fidel é Fidel, como todos sabemos bem, Fidel é insubstituível!"

E mais à frente afirma...

"Peço a esta Assembleia,como orgão supremo do Estado que sobre as decisões de maior importância para o futuro da Nação, sobretudo as ligadas à Defesa, Política Estrangeira e Desenvolvimento Económico do País, me permita consultar Fidel Castro."

Se dúvidas houvesse...

ONCE: Falling Slowly

Foi esta música que esta noite ganhou o Óscar 2008 para a melhor música!
Bonita, sem dúvida, mas sem a qualidade de outros temas vitoriosos em anos anteriores.

OSCARES 2008



As cortinas já fecharam e começa agora a corrida para as atribuições 2009.
Mesmo assim,aqui fica a lista dos principais vencedores de 2008...

Melhor Filme

No Country for Old Men (2007): ( Vencedor )
Ethan Coen, Joel Coen, Scott Rudin

Atonement (2007):
Tim Bevan, Eric Fellner, Paul Webster

Juno (2007):
Lianne Halfon, Mason Novick, Russell Smith

Michael Clayton (2007):
Sydney Pollack, Jennifer Fox, Kerry Orent

There Will Be Blood (2007):
Paul Thomas Anderson, Daniel Lupi, JoAnne Sellar

Melhor Actor Principal

Daniel Day-Lewis ( Vencedor )
for There Will Be Blood (2007)

George Clooney
for Michael Clayton (2007)

Johnny Depp
for Sweeney Todd: The Demon Barber of Fleet Street (2007)

Tommy Lee Jones
for In the Valley of Elah (2007)

Viggo Mortensen
for Eastern Promises (2007)

Melhor Actriz Principal

Marion Cotillard ( Vencedora )
for Môme, La (2007)

Cate Blanchett
for Elizabeth: The Golden Age (2007)

Julie Christie
for Away from Her (2006)

Laura Linney
for The Savages (2007)

Ellen Page
for Juno (2007)

Melhor Actor Secundário


Javier Bardem ( Vencedor )
for No Country for Old Men (2007)

Casey Affleck
for The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford (2007)

Philip Seymour Hoffman
for Charlie Wilson's War (2007)

Hal Holbrook
for Into the Wild (2007)

Tom Wilkinson
for Michael Clayton (2007)

Melhor Actriz Secundária

Tilda Swinton ( Vencedora )
for Michael Clayton (2007)

Cate Blanchett
for I'm Not There. (2007)

Ruby Dee
for American Gangster (2007)

Saoirse Ronan
for Atonement (2007)

Amy Ryan
for Gone Baby Gone (2007)

Melhor Realizador

Ethan Coen, Joel Coen ( Vencedores )
for No Country for Old Men (2007)

Paul Thomas Anderson
for There Will Be Blood (2007)

Tony Gilroy
for Michael Clayton (2007)

Jason Reitman
for Juno (2007)

Julian Schnabel
for Scaphandre et le papillon, Le (2007)

domingo, 24 de fevereiro de 2008

CRISTIANO RONALDO


Eu tentei!
Eu juro que tentei!
Palavra de escuteiro que tentei...e uso a figura do escuteiro mesmo arriscando apanhar com os estilhaços da polémica que ainda anda por aí, relativamente à publicidade da MediaMarket e do escuteiro que vinha da Parvónia...
Mesmo assim arrisco!
Palavra de escuteiro, que fui realmente, da patrulha pantera, ainda que nunca tivesse tido muito jeito para aqueles 500.000 tipos de nós diferentes que tinham de se saber fazer numa corda!
Então não existiriam coisas bem mais interessantes para ensinar a miudos que começam a sentir as hormonas aos saltos do que brincar com cordas?!
Pois...
Depois muitos ficam com o "fétiche"...
Bem!
Lá estou eu a fugir ao fio condutor...
Regressemos ao trilho!
Dizia eu, aliás, confessava eu, que tinha tentado!
E é verdade, porque eu sou testemunha de que tentei!
E, na realidade, tentei e muito.
Mas não consegui!
Aliás...
Ainda agora não consigo!
"E não consegue o quê?"...perguntam vocês...
Sim?!...
Não ouço nada...
Tentem lá outra vez..
Sim?!
Bem...
Façamos de conta que ouço alguma coisa, bem lá no fundo do túnel..
E não, não é a tal luz ao fundo do túnel que muitos gostariam de ver e o outro já diz que vê...
Deve ser miopia!
Melhor dizendo, miopia estrábica!
Irra!!!!
Lá estou eu a fugir outra vez ao fio condutor de que falava Descartes!
Sim...
O René...
Mais uma destas e dou um estalo a mim próprio!
Mesmo que cada vez mais a punição física esteja em desuso e seja pedagogicamente desaconselhada, quiça proibida!
Ainda que Bernhard-Cohen tenha gasto o Maio de 68 a dizer que ´"E proibido proibir!"...
Por isso é que tantos anos depois ele engordou e está comodamente sentado, como deputado do Parlamento Europeu, agora borrifando-se para o proibido e para o proibir!
Bem!
Antes que dê o nó na cabeça a muitos de vocês que me lêem...
Eu não consigo esquecer os valores dantescos, perfeitamente obscenos, que o Cristiano Ronaldo, o puto maravilha, vai ganhar com o novo contrato que assinou com o Manchester United, e que o vão entronizar, definitivamente, como o jogador mais bem pago do Mundo...

O "puto maravilha" vai passar a ganhar:

1 milhão de euros por mês
250.000 euros por semana
36.000 euros por dia
1.500 euros por hora
25 euros por minuto
42 cêntimos por segundo.

( estes valores não incluem os patrocínios, nem os contratos de publicidade...)

É obsceno!!!
Por isso não consigo esquecer!

DESAFIO...


Hoje é Domingo, uma tarde solarenga...
Um tempo e uma oportunidade fantásticos para lançar um desafio!
Desta vez um desafio diferente.
Um desafio inocente e "naif", nostálgico, de recordação e quiça pazes com o passado.
O nosso boneco de estimação!
Todos tivemos um boneco de estimação que recordamos com nostalgia se já não o temos ou a que damos um incomensurável valor afectivo se o temos e guardamos ciosamente, convencidos de que ali está uma inestimável ponte com o passado, uma inconfundível âncora.
O meu boneco do passado era um ursinho de borracha, cor de laranja, pequenino, que já não tenho...
Era um lindo ursinho de borracha cor de laranja ao qual eu adorava roer a orelha e ainda recordo com imensa nostalgia o sabor duro e adocicado da orelha que eu adorava roer, assim como o cheiro jamais repetido, daquela borracha.
Um cheiro diferente.
Um cheiro carinhoso.
Um cheiro nostálgico.
E pronto...
Aqui ficou mais uma máscara atirada ao chão.
E o desafio é mesmo esse.
A descrição do seu "boneco de estimação!"
E a estratégia é sempre a mesma.
Coloque aqui o seu "post" de resposta e ponha-o também no seu blog para assim criarmos, em simultâneo, diversos outros núcleos de trocas de memórias.

POR GISBERTA, UMA VEZ MAIS!


Porque tenho memória e não tenho o direito de deixar passar em branco uma data que não pode ser esquecida, esta crónica é dedicada ao assassinato de Gisberta, passados dois anos.
Pensarão alguns... “Lá vem este defender o travesti, de novo!”
Não!
Venho defender o direito à indiferença, muito mais do que o direito à diferença.
“Não me parece uma crónica adequada à pacatez dominical!”, sibilinamente argumentarão outros.
Pois...É precisamente contra esta paz podre que eu escrevo, para que o direito à tranquilidade não seja, apenas, propriedade de alguns, mas direito e dever de todos.
“Estava tudo a correr tão bem. As três crónicas anteriores até foram decentes e sobre política...”alegarão ainda outros, ciosos da defesa do bem estar das famílias.
Mas esta será, também, uma crónica decente, pelo direito à existência, pelo direito à vida, pelo direito à sobrevivência, pelo direito à dignidade.
Eu tenho direito à indignação!
Eu tenho direito a querer e a ter memória!
Sempre que relembro este assassínio não consigo deixar de pensar na angústia, na terrível e atroz angústia que Gisberta terá sentido.
Doente, frágil, sentindo-se no fim de uma existência que perdeu a dignidade, sentindo-se no fim de um percurso que perdeu a beleza, a luz, o brilho, a cor, para se tornar um eterno e infindável cinzento, escuro, muito escuro, demasiado escuro...
E, no fim de tudo isto, em vez da glória glamurosa a que estamos habituados a assistir em filmes de família, surge uma glória sem lantejoulas, sem sorrisos, sem música na saída de cena, sofrida, sem esperança, asquerosa...
Foi esta anti-glória que atingiu Gisberta, na forma de uma tortura animalesca.
Imagino Gisberta, na escuridão, como um animal acossado, dorida, magoada, sofrida, dobrada sobre si mesma, como que querendo regressar à origem, ao ventre materno, para enfim se sentir protegida, para enfim ter um lar, para enfim ter paz!
Imagino Gisberta, uma massa disforme, da pancada, da tortura, transformada numa dor única, imensa, que quase já não dói por ser tão intensa e total, dor que faz companhia e que significa, por ser sentida ainda, o acto de estar viva, porque, lá no fundo, bem lá no fundo, ainda se consegue sentir, no meio de todo um enorme sofrimento, algo a que se consiga chamar apenas dor!
Imagino os gritos de dor lançados por Gisberta, primeiro de indignação e revolta por estar presa e a ser torturada, depois de dor apenas, lancinantes, em uivo, lançado, gritado, sofrido, cuspido para o ar!
Imagino os uivos de Gisberta depois transformados em gemidos de uma dor sentida, entranhada, que atinge por ondas que avançam por todo o corpo e em que tudo dói em conjunto!
Imagino os gemidos de Gisberta depois transformados em murmúrio, soprado, triste, sozinho, ainda sofrido mas, acima de tudo, desistido!
Imagino, por fim, os murmúrios de Gisberta depois transformados em balido, único, contínuo, já não humano, já não identificado, apenas balido, de animal ferido de morte, que apenas pede o direito a desistir, a parar de sofrer, a morrer para ter paz!
Imagino Gisberta, que nunca conheci, babando-se de dor, cuspindo sangue, rasgada, esventrada, esborrachada, perdida, sentindo as dores de uma dor que alastrou ao corpo todo porque nada mais haveria a doer que já não doesse e a tentar esquecer essa mesma dor!
Imagino Gisberta, farrapo velho atirado para um canto de uma escuridão húmida, usando ainda um baton pobre, da cor descolorida da ilusão perdida, já babado dos lábios para o queixo e daí para o peito, cor rubra misturada com saliva e sangue, arrancado de uma boca que outrora soube rir, seduzir, beijar e amar!
Imagino Gisberta, ainda em alerta animal, sempre à espera de um ruído atroz e fatal que lhe recordasse a sua condição de animal enjaulado, palhaço estragado suspenso numa vitrina, ao sabor desvairado de crianças-homens-algozes-assassinos, desprovidos de humanidade, possuídos por uma louca, insaciável e interminável vontade de fazer mal, ferir, violar, violentar!
Imagino Gisberta, com a cara disforme, a mesma que, outrora, exibira nos palcos de uma vida não sonhada, nem desejada, à procura de uma felicidade, de uma dignidade e de uma paz nunca alcançadas, agora massa inchada, ensanguentada, à espera de mais um momento de espectáculo, de circo, já sem música a não ser o gargalhar violento dos esgares dos assassinos que, por prazer, voltam sempre, à procura de mais um momento de diversão-sofrimento!
Imagino Gisberta, por fim atirada para um qualquer fosso, sentindo-se cair, depois molhada e invadida por uma água escura, suja, fétida, putrefacta, mas libertadora porque com ela vem, primeiro, a humidade que anestesia e, depois, a falta de ar que asfixia mas que, por fim, é sinónimo de libertação. A liberdade total e última, que então chega, a paz finalmente alcançada, de uma morte não desejada mas provocada às mãos de quem ainda alguns conseguem considerar, como que numa cantiga de escárnio e maldizer...
“Meninos perdidos, coitados...”
Manuel Damas in "O Primeiro de Janeiro" a 24-2-2008

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

OCORRÊNCIAS...


Não é muito meu hábito transcrever "e-mails" que recebo.
Todavia, como achei este delicioso e dei 3-4 gargalhadas saborosas, achei que seria justo colocá-lo aqui. Entre parêntesis ficam alguns comentários e anotações minhas!

Descrição de ocorrências nas participações de sinistro do ramo automóvel em 1998

1. O falecido apareceu a correr e desapareceu debaixo do meu carro.

(Para onde terá ido o falecido? E, já agora, foi para esse sítio antes ou depois de falecer? Pelo menos podia ter deixado algum contacto!)

2.Para evitar bater de frente no contentor do lixo,atropelei um peão.

(Uma opção correctíssima, no sentido de não danificar os bens públicos!!!)

3.O acidente aconteceu quando a porta direita de um carro apareceu
de esquina sem fazer sinal.

(Grave teria sido se tivesse aparecido o carro todo! Se só foi a porta os danos não devem ter sido avultados...)

4.A culpa do acidente não foi de ninguém,mas não teria acontecido
se o outro condutor viesse com atenção.

(Pois...Afinal envolvidos no acidente são três...O primeiro condutor, o segundo condutor e a Atenção...que por sinal, até é a culpada!)

5.Aprendi a conduzir sem direcção assistida. Quando girei o volante
no meu carro novo,dei comigo na direcção oposta e fora de mão!

(Se calhar comprou a carta mais barata...a que não dava direito a aulas com direcção assistida!!!)

6.O peão bateu-me e foi para baixo do carro.

(Malditos peões! Batem e ainda se escondem!)

7.O peão não sabia para onde ia,então eu atropelei-o!

(E fez muito bem!Mais não foi do que uma ajuda ao próximo. E já agora...Saberá o peão onde está? Quiça no Hospital, quiça no Cemitério!)

8.Vi um velho enrolado,de cara triste,quando ele caiu do tejadilho
do meu carro.

(Pois...Devia ir de cara triste, realmente. Se calhar não sabia para onde ia, como o peão anterior!)

9.Eu tinha a certeza que o velho não conseguia chegar ao outro lado
da estrada,por isso atropelei-o.

(Bem...Já que não estás aí a fazer nada e não vais conseguir fazer nada mesmo, deixa dar-te uma pancada para te ajudar a fazeres alguma coisa, e assim já fica feita a boa acção do dia...)

10.Fui cuspido para fora do carro,quando ele saiu da estrada. Mais
tarde fui encontrado numa vala por umas vacas perdidas.

(Eram vacas de quais? Daquelas completamente, completamente, mas mesmo completamente perdidas???!?)

11.Pensei que o meu vidro estava aberto,mas descobri que estava
fechado quando pus a cabeça de fora.

(E afinal qual foi a conclusão? Estava o vidro aberto ou fechado???)

12.Bati contra um carro parado que vinha em direcção contrária.

(Pois! E a culpa é toda dele! Alguém o mandou estar parado e vir em direcção contrária?!É mesmo para enganar!!!)

13.Saí do estacionamento,olhei para a cara da minha sogra e caí
pela ribanceira abaixo.

(Bem!!!Grande susto!!!Podia ter tido um enfarte do miocárdio!!!Algo me diz que a sogra não é linda!!!Digo eu!!!)

14.O tipo andava aos ziguezagues de um lado para o outro da
estrada. Tive que me desviar uma porção de vezes antes de o atropelar.

(Depois irritaram-me aqueles ziguezagues todos e acertei-lhe em cheio para o por direito! E consegui!!!!!)

15.Já conduzia há 40 anos, quando adormeci ao volante e sofri o acidente.

(Isso era tudo cansaço!!!Xiiiii!!! 40 anos!!! Tshhhhhh....!)

16.Um carro invisível veio de não sei onde, bateu no meu carro e desapareceu.

(Cá para mim era o carro de algum Super-Herói, tipo o Homem Invisível!)

17.O meu carro estava estacionado correctamente,quando foi bater
de traseira no outro carro.

(Pois...A culpa foi mesmo do carro e não do condutor. Aliás...Terá sido magia ou bruxaria??? Também poderia ter sido culpa da rua, por ser muito a descer!!!)

18.De regresso a casa,entrei com o meu carro na casa errada e bati numa árvore que não é minha.

(Isso pode ser considerado invasão de propriedade privada. Espero que, pelo menos, tenha saído de pantufas e não tenha feito muito barulho, para não acordar as pessoas!)

19.A camioneta bateu de traseira no meu pára-brisas, em cheio na
cabeça da minha mulher.

(Algo me diz que essa nunca mais vai precisar de tirar o buço e mesmo ir ao cabeleireiro...Tenho as minhas dúvidas!!!)

20.Disse à policia que não me tinha magoado,mas quando tirei o
chapéu percebi que tinha fracturado o crânio.

(Hum!!! E quantos dias depois foi isso? É que o período de validade para crânios, pernas e braços partidos são só 10 dias úteis!!! Para olhos arrancados é que são 15 dias úteis!!! E ainda pode ser considerado que mentiu à Autoridade!!!)

22/2/2006 - POR GISBERTA...



Faz hoje dois anos que Gisberta morreu, vítima de um assassínio brutal, executado com requintes de perversão e malvadez, por uma dúzia de assassinos que o Sistema acha que não têm idade para serem julgados nem condenados.
Porque eu tenho memória, aqui deixo uma crónica que escrevi e publiquei nesse ano...


Era um menino-diferente...
Diferente dos outros meninos, todos iguais entre si.
Era um menino que sabia olhar, como todos os outros mas que, muito para lá disso, sabia ver, o que o tornava diferente. Dotado de extraordinária sensibilidade, chorava com o que os outros não choravam, ria com o que os outros não riam... E gostava do que os outros não gostavam, o que o tornava diferente de todos os meninos, iguais entre si...
E o ser diferente tem, sempre, um preço.
Tinha vindo do outro lado do mar, muito para lá de longe.
Na aldeia-ilha onde tinha nascido, rapidamente se tinha habituado a todos conhecer, sem que ninguém, na realidade, o conhecesse. Para não ser apontado, gozado, molestado, fez sua a máscara da vulgaridade, de que todos somos feitos e nos torna anónimos na espuma dos dias. E foi crescendo, por fora igual a tantos outros, por dentro diferente dos outros todos.
O tempo foi passando, o menino-diferente foi crescendo, sonhando com o momento em que partiria para a grande cidade e onde, estava certo, seria feliz, livre de todas as máscaras.
Chegou então, para felicidade sua, o momento de partir.
Chegado à grande cidade, ao cenário que sempre povoara o seu imaginário de menino-diferente, achou-se em fim livre e deitou fora a máscara de menino-igual, já convencido, e feliz por, finalmente, poder ser ele próprio.
Pobre tonto!
Amargo erro!
Não sabia que a grande cidade, vendedora perversa de falsas ilusões, era mais castigadora do que a sua aldeia-ilha, do outro lado do mar.
Na grande cidade conheceu rostos, mentes, corpos, uma massa anónima de autómatos que o desiludiram, magoaram, fizeram chorar como ninguém.
Coleccionou desilusões e, na solidão da noite, muitas vezes gritou, rasgado de raiva, contra a insensibilidade do animal dito Homem.
E assim continuou a crescer, incompreendido, usado, magoado, só...
Até que um dia, farto de sofrer, tratando a dor por tu e tendo como única companhia a solidão, resolveu dizer:
“Basta!”
Era tempo de desistir, pensava o menino-Homem-diferente.
Arrancou todas as máscaras, as antigas e as recentes e, lançando-as ao chão, já desnudo de falsas aparências, correu sem destino.
Cansado parou e encontrou-se de frente para a Lua, na noite escura, mais só do que nunca, farto da dor, sinónimo de si.
Era o momento de desistir, de vez.
Deixou-se cair e chorou como nunca tinha chorado, lágrimas doridas, sofridas, sangradas, silenciosas, sentindo um frio interior e uma fome de paz que queimava.
Estava farto de dar sem receber, de ser usado para rápidos momentos de prazer, logo negados.
De desfeito que estava, não sentiu alguém que chegava, em silêncio.
De repente, sentiu uma mão que pousava no seu ombro.
Virou-se, então, lentamente.
Primeiro olhou.
Depois viu.
Os olhares cruzaram-se, entrelaçaram-se e não teve medo...
O Outro, devagar, soergueu-o, deitou-o no colo com carinho e abraçou-o, protector.
Lentamente as lágrimas secaram, a dor deixou de queimar e sentiu-se invadido por uma doce sensação, meiga e tranquila.
Ao fim de tantos anos, sorriu embalado... estava, finalmente, em paz.
Em conjunto, paz e dor, esvoaçaram, desaparecendo pelo cone do luar.
Com o nascer do dia, apenas ficou no chão, como marca, uma lágrima que, rapidamente, os pés apressados da modernidade calcaram, na sua corrida inglória contra o tempo.
Agora, algures, o menino-Homem-diferente, está feliz por, finalmente, ter conseguido paz.
Manuel Damas in "O Primeiro de Janeiro"- 2006

the muppets show intro

Eu gosto deles.
Mas eu não sou perfeito!
:)))))))))))))))))))))))

"SEXUALIDADES, AFECTOS E MÁSCARAS"-22ª emissão


Logo à noite, mais especificamente às 0.30 irá para o ar na Porto Canal mais uma emissão, a 22ª, do "Sexualidades, Afectos e Máscaras", desta vez subordinado ao tema "Diferenças nas relações consoante as idades".
Existirá o conceito de "Primeiro Amor" com toda a intensidade, a força, o desfazamento do real com que a literatura e a poesia o caracterizam e pintam?
Será o primeiro amor o único a merecer maiúscula?
Será o último amor o mais forte e sério por mais crescido e calejado?
Haverá diferenças entre o primeiro amor e o último?
Eu amo sempre da mesma forma e com a mesma intensidade ao longo do meu percurso etário?
Estas e outras questões serão, hoje, abordadas neste programa, o único que, em Portugal, em directo, à laia de tertúlia aborda, de forma informal, entre amigos, coisas sérias mas a sorrir.
Coisas tão sérias como Sexualidades, como Afectos e como Máscaras...
As nossas formas de sentir, gostar e amar.
As nossas formas de expressar os afectos em termos de Sexualidades.
A nossa forma de mascarar a quem amamos, como amamos e quando amamos, condicionados que estamos pelo peso pesado de convenções socio-culturais que asfixiam e condicionam.
Apareça!
Vai gostar e vai querer repetir.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

BREVES...


PRIORIDADE EM DETERMINADOS PROCESSOS JUDICIAIS

Os processos relativos a:

- crimes de corrupção
_ crimes contra idosos, crianças e deficientes
- crimes contra professores e médicos

Merecerão, a partir de agora, "especial prioridade" de investigação, segundo uma directiva do Procurador-Geral, publicada em "Diário da República".

E eu, sinceramente, estou plenamente de acordo. E a minha concordância não se relaciona com o facto de ser Professor Universitário e Médico.
São concedidas medidas prioritárias a diversas excepções que, pelo seu carácter específico, a merecem.

MISSÃO SORRISO

A "Missão Sorriso", iniciativa de solidariedade social, da responsabilidade do grupo SONAE angariou, em 2007, 800 mil euros para apoio a 27 Serviços de Pediatria de hospitais de todo o País.
É de vangloriar, esta iniciativa do Grupo SONAE.
Se todos os grandes grupos económicos em Portugal assim procedessem, a solidariedade social e os necessitados ganhariam muito com isso, assim como a dignidade humana.

ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS PREOCUPANTES...


Pensa-se que cerca da 5% da população portuguesa seja alcoólica, o que equivale a meio milhão de pessoas. Na altura da Revolução dos cravos uma das frases chaves mais criticadas do Estado Novo era "Beber vinho é dar trabalho a um milhão de portugueses!"
34 anos depois já não se bebe tanto vinho...Bebem-se mais bebidas destiladas e surgiu a novidade dos shots...só que estes, além de serem muito mais fortes, atingem uma faixa etária muito mais baixa. E esse é um dos problemas da dita Modernidade. É que em Portugal cada vez se começa a beber mais cedo o que se afigura um dado relevante e gerador de extraordinária preocupação.

Os últimos dados do Instituto da Droga e da Toxicodependência indicam que, em 2006, 32.460 pessoas estiveram em consultas de ambulatório, maioritariamente por causa de problemas com o consumo de heroína. Não são, todavia, revelados os números de todos os outros que, sendo toxicodependentes, procuram outros produtos.

Existem em Portugal cerca de 2 milhões de fumadores de tabaco. Penso que com a nova lei, este número decresceu de forma manifesta mas ainda é cedo para surgirem dados estatísticos até porque podem existir reincidências.

O consumo de café "per capita" em Portugal ultrapassa os 10gr diários o que dá uma media de quase um café por dia por português. Não sendo dados preocupantes são, todavia, números expressivos, especificamente se nos lembrarmos de que a cafeína é, também ela, um estimulante do Sistema Nervoso Central.

A obesidade atingia, em 2005/06 16,5% dos portugueses com mais de 18 anos segundo dados do Instituto Nacional de Saúde, com todos os inconvenientes que tal problema acarreta. Números mais assustadores poderão verificar-se, todavia, na adolescência, nomeadamente por causa dos maus hábitos alimentares, a que não é alheia toda a publicidade efectuada em torno da fast-food e a sua ligação com a adolescência!

Portugal é o segundo país que mais gasta com o Euromilhões, apenas suplantado pela França mas que tem uma população seis vezes maior do que a portuguesa. São dados preocupantes fruto inclusive, do mau estado da economia em Portugal.

E aqui ficam alguns dados propícios a alguma reflexão...

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

DESAFIO...


A OutonoDesconhecido
fez-me um desafio...Que desse a minha definição acerca de doze itens.
Assim sendo, aqui ficam as minhas respostas...

AMIGOS

Amigos são Afectos.
Podem estar presentes ou ausentes fisicamente, mas são e estão lá.
E isso conta.
Conta muito.
Conta tudo!
Com um amigo eu tiro as máscaras.
Com um amigo eu sou quem sou e como sou.
Um amigo é para as horas boas, para as horas más e para as horas assim-assim

LUA

A Lua é mistério.
A Lua é tranquilidade.
A Lua é luz.
A Lua é paz.

SINCERIDADE

Pela sinceridade eu olho os olhos de alguém e vejo...
Vejo tudo, vejo límpido, vejo real.

HUMILDADE

É ter a noção real do que se é, mas cautela!
Ninguém é mais ou menos do que alguém!
Humildade em exagero acho defeito, estupidez, local, chamariz e oportunidade para que todos calquem, para que alguém use, abuse e faça mal!

RESPEITO PELO PRÓXIMO

A minha liberdade termina quando começa a liberdade do outro.
Através do respeito pelo próximo, eu não faço ao outro aquilo que não gostaria que me fizessem a mim!

ANIMAIS

O animal é uma companhia, é um carinho, um estímulo.
É uma presença!
É um Afecto!

HARMONIA

A Harmonia é a paz!
Tudo está bem e vai continuar bem, quando impera a harmonia.
Pela harmonia as peças do puzzle que é a vida, estão todas encaixadas, correctamente, em compatibilidade, em interacção em suma...de forma harmónica!

MAR

O Mar...
O mar é um dos meus grandes Afectos.
Já escrevi uma crónica, no jornal,só sobre o Mar.
Junto ao mar eu já gritei.
Junto ao mar vociferei e praguejei.
Junto ao mar chorei lágrimas de dor, de sangue...
Mas junto ao mar já sorri, já ri, já gargalhei.
Junto ao mar já amei e já fui amado.
Junto ao mar sinto-me bem, protegido, relaxado.
Junto ao mar consigo, muitas vezes, escrever e, por vezes, versejar.
Junto ao mar consigo sonhar...
Voar, em paz.
Junto ao mar, sou feliz.

FILHOS

Os filhos são prolongamentos de nós.
São imagens que tentamos feitas e pintadas por nós, mas não são nossos.
São deles próprios.
São vidas próprias, pelas quais não podemos nem devemos viv, porque os filhos são eles próprios, sem tirar nem pôr.

INTELIGÊNCIA

Capacidade de ver, de perceber, de saber ouvir, de entender e compreender, para poder ajudar e avançar.

COBARDIA

A cobardia é o lado sujo do medo.
É o acto infame que permite estar, não estando.
É o acto de ser e não ser, por conveniência, por estratégia, por interesse.

AMOR

O Amor é o mais belo e sublime dos belos sentimentos.
É o Afecto supremo.
Pelo Amor eu rio,
choro,
salto,
danço,
grito,
ultrapasso,
voo,
existo.
Pelo Amor eu estou e sou em ti e contigo
Porque,
com Amor
com o Teu Amor
eu consigo...
ser e estar...
Enfim,
VIVER.

Diz-me, também, para nomear outros actores para se pronunciarem.
Aqui ficam as vítimas...
Sempre...Tua
Susy Claro
Sempre por Perto
Riscos de vida
Paris Blues
Palavras e rabiscos
O último pingo
O Silêncio Culpado
O Sabor Da Palavra
Lua Cheia
Lisbo@P@risLisbo@
Não Incomodar

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

PORTUGAL...


As derrapagens das despesas públicas são obscenas.
Alguns exemplos assassinos...

Túnel do Rossio - de 49,5 para 59 milhões de euros

Metro Baixa-Chiado/Santa Apolónia - de 165 para 299 milhões de euros

Casa da Música - de 16,25 para 119,9 milhões de euros

Ponte Europa - de 35 para 111,38 milhões de euros

Aeroporto Sá Carneiro - de 45 para 280 milhões de euros

Eu a isto chamo ROUBAR!
E os responsáveis políticos deste País não vêm isto?
Para isto não existe ASAE mesmo...
Deve andar para aí muita teia de corrupção, com interesses perfeitamente cruzados, transversais a todos os partidos políticos, com especial incidência para aqueles que têm vocação de poder!
Mas deve alastrar à indústria, às empresas de prestação de serviços, às entidades bancárias, à Igreja, ao Futebol, ao Poder Autárquico...
Deve ser um polvo...
Mas com tentáculos demoníacos, subterrâneos, asfixiantes e extensos!
Cada vez mais me convenço que Portugal se prepara para ser o novo México da Europa, o que só ainda não aconteceu por estarmos integrados na UE...
"É fartar, vilanagem!"

ASSIM SE FALA PORTUGUÊS...


Hoje no decurso de uma consulta e perante o tipo diferente de "linguajar" da paciente, lembrei-me de aqui apresentar algumas formas "originais" que certos pacientes já utilizaram comigo,em contexto de consulta, fazendo um teste à minha capacidade de contenção.
Um aviso...
Esta não é uma forma de gozar com os meus pacientes.
É apenas uma forma risonha de ilustrar uma das características invulgares do povo português...a capacidade de estropiar as palavras...
Espero que este "post" constitua para todos vós um agradável momento, porque a intenção é precisamente essa.
Fazer-vos esquecer, por momentos os problemas e as agruras diárias.

Tenho muitos doentes que se queixam, dizendo que sofrem de alérgias...até aos bichos do pó e aos fenes!

Já houve quem dissesse que tinha um familiar que tinha tido um cancarú nas partes!

Mas quem se refere às partes, também diz "as vergonhas", as "partes vergonhosas".

Uma vez disseram-me textualmente...
"Oh Dr. tenho um problema aqui no pau que quando fica teso a cabeça fica toda preta!"

Mas também há quem tenha feito uma "introsse" no braço...E quem sofra muito das "introses"! Normalmente é por falta de "cálcico" ou até por ter "os ossinhos todos desclassificados!"

Ou mesmo quem sofra de "inquisema"...

"Ai senhor Dr...tou tão aflitinha da minha tripa, que ma cago toda..."

"Bota-se-me uma ardência nas bordas(também chamadas beiças ou pregas) que tou que nem posso. Arrepenho-me( ou arrepelo-me) toda!"

"Tou à rasca dos purmões. Fico com a garganta cheia de gosma, que nem consigo iscupir!"

"Eu não consigo...Dá-me gómitos...Esgomito-me toda!"

"Pegou-se-me um ardiume nas vias!"

"Ai eu sofro muito das amurrodias(também chamadas imurroidas ou imurrodias)..."

" Eu devo estar com a isgana, Dr.! Sinto um farfalho que até ouço os gatinhos..."

"Eu não posso comer verduras...Dá uma caganeira que nem me bedo, com sua licença!"

"Caí assim pra tás, faz de conta, e, com sua licença, fudi as nalgas todas...Fiquei toda pisadinha! Até a boca do corpo(também chamada a perseguida ou a coisa) me doia!"

"Sou muito achegado a febres!"

"Oh Dr. mande-me fazer uma iscopia!"

"Eu já fiz um traque à cabeça e não acusou nada!"

"Ja fui operada ao apence e agora vou ser a bisicula!"

"Tenho uma ursa na boca do estomago!"

"Tou à rasquinha do meu castrol! Até me dá ouras! E os triclinos também devem estar altos!"

"Posso m'assentar? Então com sua licença!"

"Sou um fumador invertebrado!"

""Sofro de muita soltura d'intestino..."

"Oh Dr. eu queria fazer um Papa Colorau!"

"Venho cá porque doi-me muito um tastícalo!"

"Ai ele era muito bom médico, num desfazendo!Olhe que até sabia medir as tensões sem aparelho! Levantava-me o braço e dizia...Tás com 12-8!"

"Ai era tão mau médico...nem me media as tensões!"

"Tenho os diabéticos muito altos, tenho colesterol, doi-me as cruzes e os artelhos!"

"Tenho um problema no imbigo!"

"Ai senhor Dr. Hoje não me sinto bem. Eu sou hiperintensa!"

"Tenho muita febre e doi-me as imidlas!"

"Onde é que eu posso fazer o exame à proste?"

Marvin Gaye - Sexual Healing

Mais um miminho, desta vez da macaw This planet says...E logo esta música que a "mac" não sabe mas que dancei centenas de vezes.Beijinho

MAIS UM PRÉMIO...


Recebi mais este prémio da coragem do Riscos de Vida, que agradeço com emoção e que vai já para a minha sala de troféus.
Quero dedicá-lo a todos os que me visitam e que não se cansam de me fazer chegar e sentir os seus Afectos!
OBRIGADO!

Marylin Monroe and John F Kennedy

Não satisfeita a Pearl Inquietudedecidiu mimar-me com mais esta delícia, da Marylin Monroe.
Obrigado Pearl.

Goo Goo Dolls - Iris

Obrigado, Patrícia DarluoSpor mais este miminho.As interpretações de Meg Ryan e de N. Cage são magistrais. Obrigado.

Marina Anissina Gwendal Peizarrat Free Program

Esta foi uma prenda deliciosa Joana.
A menina não sabe mas eu adoro patinagem artística, especificamente no gelo e então ao som de Carmina Burana o que pode um mortal mais desejar?
Obrigado, Joana.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

The Muppet Show - A whole new opening

Uma outra prenda deliciosa, desta vez do Waldorf do Não Incomodar

That's What Friends Are For

Ainda antes do dia acabar e tendo em conta todas as muitas manifestações de AFECTOS que aqui já recebi penso ser esta a melhor forma de a todos agradecer, de forma emocionada...

FELIZ ANIVERSARIO

Mais um miminho, desta vez da Pearl Inquietude

Sailing: Christopher Cross

Esta foi a deliciosa prendinha que a "navegadora"Lua Cheia fez questão de me oferecer e que aqui eu agradeço, emocionado.

MERDA!



"Que rica prenda

nesta feira de vaidades

onde a provocação é mote

e veste letras de sorriso.

Que rica prenda

esta de "ser e não ser"

onde a palavra é companhia

e o passado é lei com honra.

Que rica prenda

esta de viver no instante

com saber, crer e receio

na navalha de um quadro.

Que rica prenda

esta de dizer sem pensar

de cumprir sem esquecer

de não fazer por fazer...

Que rica prenda.

(Este texto surge um pouco em jeito de decalque ficcionado da forma como vi o Manuel Damas ao longo destes quase dois anos. É efectivamente alguém Especial que não deixa ninguém indiferente. Só por isso o catalógo como uma "rica prenda", aquela que nos saiu na rifa sem repararmos que estamos a ser brindados constantemente com a "sorte grande". Por outro lado, sei que ele sabe que, cada vez mais, se pode dar ao luxo de ter como Amigos "ricos brindes".)"- Francisco Moreira

MERDA!!!

Eu tinha prometido a mim mesmo que não iria chorar hoje.
Mas a vida tem momentos que nos fazem rasgar as promessas, por mais fortes que sejam...as promessas e os momentos.
Pois...
Tive que deixar uma promessa por cumprir.
Passeava eu, calmamente, os olhos pelos "blogs" que religiosamente visito todos os dias e fui "afectivamente rebentado" por esta meiguice do Francisco do Essências...
Obviamente não me contive e as lágrimas rolaram pela cara abaixo, insuportáveis e imparáveis.

É mais uma prova de que vale a pena viver pelos e para os AFECTOS!

OBRIGADO, FRANCISCO!

ANIVERSÁRIO



Na impossibilidade de conseguir estar fisicamente com todos os Amigos e Amigas que aqui criei e muitos outros que tenho e que fazem do blog o único espaço possível de contacto, aproveito para agradecer todas as provas e manifestações de Afectos que já hoje recebi.
As vivências afectivas que aqui se criam e saboreiam, as pontes afectivas que aqui se constroem, ainda que muitos sejam rápidos e ávidos a dizer que não são reais ou existentes, eu sou daqueles que as destaco, que as valorizo e que não consigo viver sem elas.
Reconheço que o tempo, a realidade e as conotações afectivas, quando virtuais, são diferentes...o que não implica que sejam momentos DE AFECTOS falsos, virtualmente construídos ou apenas máscaras.
São Afectos, apenas não palpáveis, no momento presente.
Já sorri, já abracei, já gargalhei, ao vivo, finalmente, com muitos dos Afectos que aqui construí virtualmente.
E assim vou continuar.
A todos um sentido OBRIGADO e deixo uma taça de champanhe, para bebermos todos, em comum.
Um obrigado muito especial pelas deliciosas tartes que a "Olá" e a "Blue" fizeram questão de me oferecer.
Para os descrentes, os cépticos e os "Velhos do Restelo"...
Se isto não são Afectos...
Onde estão os Afectos?

domingo, 17 de fevereiro de 2008

UM POUCO DE MIM...


O ter passado pelo blog da "Blue" Blue Velvete ter lido o post dela sobre o seu próximo aniversário, criou-me nostalgia.
Porque eu faço anos amanhã...aliás, melhor dizendo, daqui a umas horas.
Nasci a 18 de fevereiro.
47 anos e muito mas muito mesmo, caminho percorrido.
Olhando para trás vejo muito, vejo tudo, até lá ao fundo...
Uma infância triste marcada por uma complicada maneira de ser e estar na vida, traduzida por uma frase que atirei a minha mãe, a chorar, no dia em que fiz 5 anos de idade...

"Estou a ficar velho, mã!"

E penso que esta frase tem marcado toda a minha vida.
O querer fazer tudo, sempre com medo de vir a não ter tempo de o fazer!
Mas agora a reacção é tranquila...
Olhando para trás, vejo que já fiz muito, mas ainda muito me falta para fazer.
Profissionalmente, a Licenciatura em Medicina, a especialidade em Medicina Nuclear, os vinte cursos de pós-graduação, o mestrado, o doutoramento...
Um percurso de trabalho, nem sempre fácil, para não dizer quase sempre difícil.
Desde o curso de dactilografia tirado aos dez anos com vinte palavras por minuto, ao curso de salsa e merengue feito há 5 anos, não esquecendo o de esperanto há 3 anos...tem sido um caminho cheio e sempre esforçado.
Em termos de actividades profissionais, as aulas nas diversas Faculdades por onde passei, as consultas, as numerosas e variadas conferências que fiz e faço...já estão marcadas mais três conferências.
As consultas de Medicina no Trabalho, nas diversas empresas onde presto serviço, permitem-me, também adquirir uma outra noção da realidade do tecido social português.
As consultas de Sexologia que, há cerca de 12 anos foram interrompidas, por decisão própria, para repensar a situação e concluir se valeria a pena continuar tendo em conta todo o processo de sofrimento pessoal que implicavam, tendo em conta as realidades sofridas e sofredoras com que sou permanentemente confrontado. E, por fim, o regresso à Sexologia, de forma tranquila e assumida.
A crónica do jornal, o programa de rádio e agora o programa de televisão, têm sido, também, marcas profundas no meu património de experiências profissionais.
A ida para os EUA e a estadia em Georgetown, sozinho, provocou, também ela um processo de amadurecimento.
A ida para Espanha e a parte lectiva do Doutoramento constituiu um outro processo de aprendizagem e crescimento, nem sempre fácil.
Mesmo a Presidência da Mesa da Assembleia Geral do Sindicato de Professores, permite-me ter uma outra visão sobre a realidade do meio laboral em Portugal, especificamente no campo da docência.
Depois...depois, os Afectos.
A morte do meu Pai há vários anos e, muito recentemente, a da minha mãe foram processos de luto muito dolorosos, dores de extraordinária violência, que ainda hoje se fazem sentir.
Até nesse campo o crescimento foi obrigatório uma vez que sempre que vou ao cemitério, à capela da minha família, penso que, pela ordem natural das coisas, o próximo a habitar aquela capela serei eu...
E aí...
Adeus Prada, adeus Louis Vuitton, adeus tudo...
Ainda no campo afectivo um casamento de dez anos, falhado, porque nunca devia ter acontecido e dois filhos com quem mantenho uma relação não tão próxima como gostaria, por imposição da mãe e ineficácia dos Tribunais, provocou em mim, também, uma outra maneira de racionalizar os Afectos.
E esta relação actual, após quase seis anos de vida em comum, não uma relação mas A RELAÇÃO, com 23 anos de idade de diferença, aquela que bate uma vez e fica, independentemente do percurso e do sucesso eventualmente atingidos. Também esta é um processo de negociação e de crescimento, todos os dias lutado, negociado, sentido.
O adiamento, por culpa própria,mais especificamente por causa da morte da minha mãe, do lançamento do meu livro que penso que,agora sim, irá, definitiviamente para a frente, até porque gostaria que outros se seguissem, tem sido uma outra epopeia.
Olhando para trás, depois de tudo isto, relatado de forma breve, ainda que sentida e suada passo a passo, faz-me concluir que a vida tem sido muito suada para mim, muito dificultada, com tudo arrancado com dificuldade e a ferros, podendo ter sido tão mais fácil e prazerosa!
E logo eu que continuo a ter vertigens atrozes, com um medo petrificante das alturas, o que representa um outro dado de mim pouco conhecido e raramente assumido.
A enorme paixão em conduzir muito depressa...quase sempre acima dos 200km/h que também são fáceis de atingir, tendo em conta que, em média, faço cerca de 1500Km/semana.
Depois a dança...uma das enormes paixões da minha vida...adoro dançar...tudo!
Tudo não...odeio folclore.
Por último, que isto de abrir as portas cá do interior doi e custa...a revelação de um ritual celebrado, sempre, desde os 18 anos...este sim, nunca confessado publicamente e apenas do conhecimento dos meus Afectos mais directos...Dentro de aproximadamente duas horas, à passagem da meia noite, lá estarei a cumprir o ritual de sempre...O beber uma taça de champanhe, sempre no mesmo copo, um copo de cristal vermelho, já muito antigo, de invulgar beleza pela forma e pela decoração, herdado de casa de meus avós e que repito, inevitavelmente, há 29 anos.
E depois...e depois, o recordar inevitavelmente dos meus Afectos, este ano de uma forma mais dorida...é o primeiro aniversário sem a minha Mãe.
Uops...uma lágrima fugiu...significa que é altura de terminar este post que representa um mostrar, por escrito, de um pouco de mim!
O acesso a um outro lado, menos conhecido...