sábado, 16 de fevereiro de 2008

OBAMAMANIA?...


Tenho vindo a acompanhar, atenta e detalhadamente, a campanha eleitoral para as eleições presidenciais norte-americanas, analisando o decurso das eleições primárias. Independentemente do resultado final, e de quais forem os candidatos que se apresentem ao acto eleitoral, pelos dois principais blocos, Democrata e Republicano, nada ficará como antes na América.
Para todos os efeitos, este constituirá um case study e ficará registado nas páginas da História Americana, como o ano da viragem...
A partir daqui, tudo será diferente.
Tudo passará ser possível.
E tudo isto porquê?
Tão só e apenas pelo facto de a estas eleições se apresentarem, com consistentes possibilidades de vitória, com reais probabilidades de sucesso e não como meros dados estatísticos, candidatos estranhos ao regime, alternativos ao sistema, em nada consentâneos com o perfil habitual dos candidatos às eleições presidenciais americanas.
Uma mulher e um afro-americano do lado Democrata.
O mais velho candidato de sempre do lado Republicano.
Assim, temos um cenário original, com os actores principais a desempenharem papeis que não os habituais, que não os formais, que não os tradicionais.
Se do lado Republicano, dos Estados Unidos Vermelhos, do Elefante, enquanto imagem iconográfica, a corrida parece pacífica para John McCain, o velho Senador de 71 anos do Arizona, que recentemente assistiu à desistência a seu favor do seu mais directo rival, Mitt Romney, mantendo-se convenientemente ainda em corrida Mike Auckabee, ex-governador do Arkansas, de 53 anos, que assegura, assim, que a corrida mantenha ainda, um aspecto convincente, do lado oposto o cenário não surge tão linear.
Do lado Democrata, dos Estados Unidos Azuis, do Burro, enquanto imagem iconográfica, as coisas não parecem estar nada pacificadas, nada facilitadas, nada previamente delineadas. O número mágico dos 2025 delegados que garante a nomeação presidencial na Convenção Nacional de Denver do Partido Democrata, em Agosto, não está definido ou conquistado para qualquer um dos lados em contenda. Arriscar um prognóstico, num momento em que nada parece estar definido ou garantido, poderá ser um mero exercício de retórica, um devaneio inconsistente e inconsequente .
Por um lado apresenta-se Hillary Clinton, de 60 anos, mulher do antigo Presidente dos EUA Bill Clinton, e actual Senadora por Nova Iorque. É a “Ice Woman”, que sobreviveu ao escândalo sexual de Bill Clinton. É a mulher que se sentiu na obrigação de conseguir deixar escapar umas lágrimas em frente às câmaras de televisão, para tentar rebater a imagem de insensibilidade, quando confrontada com os desagradáveis e inesperados resultados atingidos na votação inaugural do Iowa. Assim surge esta mulher que tenta capitalizar os 8 anos de vida passados na Casa Branca, declarando “Tentarei ser Presidente desde o primeiro dia”. Com Hillary, por momentos, fica-se na boca com o sabor amargo de uma tentativa, quiçá inglória, de ajuste de contas com o passado, de “rèvanche” da história recente americana...Para avinagrar a questão apetece perguntar se o escândalo sexual aconteceu por culpa de Hillary ou apesar dela. Sem querer avançar para uma análise do perfil psicológico da Senadora resta-me questionar sobre qual o futuro da ex Primeira Dama depois de tudo isto...
Será Hillary o início do fim do poder político masculino americano?
A ver vamos...
Por outro lado surge Barack Obama, o Senador de 46 anos do Illinois, inseparável da mulher Michelle Obama, aquele a quem já muitos chamam o JFK negro, e que não se cansa de proclamar “ O nosso tempo chegou!” Ocorre-me, agora, perguntar...Estarão criadas as condições para o nascimento de uma Obamamania? Com efeito, cada vez mais, a nível mundial, com a falta de referenciais consistentes e de lideranças responsáveis e efectivas, as populações evidenciam um deserto na ligação ao poder, tornando-se activos e passivos intervenientes na construção de ícons.
E os EUA não constituem excepção, bem pelo contrário!
Ao espírito de empreendedorismo americano já fazia falta um mito, um líder que apaixonasse multidões. Há muito que não o tinha, especificamente desde o assassinato de Kennedy e a tentativa frustrada de Reagan.
Será Obama o próximo grande líder americano?
Aparentemente parece ter reunido todas as condições para que, conseguindo sair de Denver vitorioso, avance para uma conquista triunfal da Casa Branca.
Apresenta uma figura simpática, deixando antever uma força de tenaz aveludada. Alia um agradável aspecto juvenil e “clean”, a que não falta um sorriso aberto e aparentemente franco, a um ar moderno e não é necessário negá-lo, mas antes assumi-lo com frontalidade, a uma extraordinariamente conveniente cor de pele que não é dispicienda.
Constrói e vende a imagem do afro-americano moderno e de sucesso, que conseguiu!
Esta imagem permite acreditar...
Gera Afectos...
Ressuscita Martin Luther King e a lendária “I have a dream...”
A tudo isto acresce um discurso consistente, sem demasiada condescendência, um outro ajuste de contas com o passado, exigente da conquista de uma oportunidade, mais do que tardia.
Com o slogan que nasceu e rapidamente se generalizou “Yes, we can!”, está acrescentado o ingrediente que faltava à receita milagrosa...a esperança renascida, qual fénix, de conseguir conquistar, ao fim de tanto tempo, o sonho tão almejado...
Um Presidente Negro!
E esta nova esperança ganha adeptos, cria paixões, provoca lágrimas, move multidões, faz renascer o sonho...Mas é conveniente todavia alertar que também gera ódios, por vezes muito violentos e o espírito do Ku-Klux-Klan não parece estar morto...apenas adormecido.
Ultrapassando, pelo menos para já, esta nota de rodapé, parecem estar criadas as condições para a criação de uma Obamamania.
Eu, se fosse americano, diria também...
“Yes, we can!”
Como sou português, uma vez mais, nada digo.
Até quando?
Manuel Damas in "O Primeiro de Janeiro" a 17/2/2008

16 comentários:

Waldorf disse...

11:51 PM-12:51 PM - 13 horas sem comentários!!!!
Bahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
Toma lá um, o primeiro!!!!

Waldorf in "O Primeiro de Domingo" a 17/2/2008

Manuel Damas disse...

Credo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Porquê 13 horas sem comentários??????
Plano drástico de contenção de "despesas virtuais"?

Catrapau disse...

Olá professor.
Sim esta a ver bem, sou eu mesmo! É verdade que já lá vai algum tempo meu caro mas tão avivada conversa certamente não se apagou assim tão rapidamente da sua memória. A qual algum dia teria de findar professor, porque conhecendo a minha pessoa e tendo noção da dedicação que presta a este blog, temo que acabaria por se tornar um projecto de vida! :) Não me despedi, porque não gosto de faze-lo mas, no entanto, se o aborreci de alguma forma resta-me então pedir desculpas por isso mesmo.
Ao visitar o blog não poderia deixar de comentar esta reflexão professor. Temo que pouca coisa irá mudar, independentemente da pessoa que subirá ao poder. Não creio que exista alma viva que possa combater uma máquina imperialista tão bem oleada como são os E.U.A. As pessoas votam em fantoches, e neste caso particular, em fantoches orgulhosos e patriotas ainda que os candidatos não o sejam. Contudo, regidos por exemplo por questões de popularidade, acabam eventualmente por se converterem naquilo que se espera deles. A pressão exercida acaba por ser intolerável.
É a minha humilde opinião :)

Ps.: Aceito com um sorriso, se o professor decidir abster-se a este comentário :)

Bom resto de domingo.

Manuel Damas disse...

Oh catrapau...e você tem, pelos vistos medo de projectos de vida, hem...
:))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

Manuel Damas disse...

Os EUA existem, "cat" e devem continuar a existir...quiça sem tanta postura de guardiãos do mundo...
De qualquer modo, uma coisa é o que os "media" e os aparelhos partidários vendem, outra é a realidade.
Não se esqueça que eu já vivi e trabalhei nos EUA e digo-lhe que a realidade americana é totalmente diferente do que se pensa e se faz crer na Europa.
Quanto a Obama, é o meu candidato...
:))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))
Então...adeus e até ao seu próximo regresso, seja lá quando fôr e já agora, um reparo...pare de fugir da sua própria sombra...os projectos de vida nem sempre têm que ser maus, nem sempre têm que ser asfixiantes.
:D
Bjs
:)))))))))))))))))

Jeanette Zork disse...

Eis algo que me tem tirado as horas de sono :)))))
O meu candidato é Barack Obama...se ele é o ressurgir de JFK e de Martin Luther King e da tão saudosa voz, que dizia: I Have a Dream...entaõ eu digo:
I have a nightmare, porque poderá Obama fazer mover massas com a sua popularidade, mas também pode fazer ressurgir as fogueiras do ku Klux Klan...
Num país onde está tão enraizado um conservadorismo, impregnado de moral religiosa,surgirão muitos ódios adormecidos. Mas até acordar, vou continuar a sonhar que os preconceitos raciais não vão levar a melhor...a grande caminhada,começa com um pequeno passo.

Manuel Damas disse...

Pois, jeanette...essa é uma questão muito complicada.
A ver vamos...

Catrapau disse...

Permita-me discordar professor. Mas se há local onde a manipulação informativa atinge o seu auge é precisamente dentro das fronteiras americanas. O factor distanciamento é, neste caso, importante.
A questão dos projectos de vida professor... passou um pouco ao lado.

Catrapau disse...

Temos aniversariante! Um excelente dia de aniversário para o professor. Parabens! :)

Blue Velvet disse...

Tenho um postezinho sobre este tema lá na minha casota.
Quer ir comentá-lo?
Bjokas e cetins:)))))))))))))))))

Manuel Damas disse...

Oh cataprau...
Um país onde a manipulação informativa atinge um lugar de excelência você quer melhor exemplo do que Portugal?
O piro cego, meu querido amigo, é aquele que não quer ver...inclusivé a dos projectos de vida!
:))))))))))))))))))))))))))

Manuel Damas disse...

Um sincero obrigado pelos votos de bom aniversário, "cat"...

Manuel Damas disse...

Já lá vou, "bluesinha"...

Catrapau disse...

Evidentemente que sucede em todo o lado. Portugal não é, nem nunca foi, excepção à regra. Daí não ter percebido muito bem o argumento :)

Oh professor, vamos la perceber uma coisa. No que respeita aos "projectos de vida"... tratou-se de uma pequena provocação ou está mesmo a falar a serio?
Esclareça-me lá. Analise me por favor.

:))))))))))))))

Manuel Damas disse...

O facto "cat" de Portugal não ser exemplo para ninguém, não pode nem deve servir de argumentário para um incumprimento atroz que cada vez mais magoa, desilude, insulta, o acto de tentar ser português, seja lá o que isso for e significar neste momento!!
Oh "cat"...consensualizemos isto dizendo que foi uma provocação séria!
Quanto à análise você acha mesmo que eu sou um daqueles testes muito em voga na net que, de forma anónima, você responde a uma dúzia de perguntas e rapidamente obtém uma classificação que o cataloga num qualquer grupo, alheio à sua maneira de ser e estar, ao seu Mundo de Afectos!
OK.
Já que quer uma classificação, digamos que você atingiu o grau do

APARENTEMENTE MODERNO E RECEOSO DE ÂNCORA!

(Eu sei!
É uma classificação digna de duplo significante e significado...
elogio/insulto)

Dahhhhh...

:)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

Catrapau disse...

À luz da minha confessa ignorância professor, explique-me lá o que é o “cat”. O significado literário eu conheço-o.
Bom, não está recordado professor, mas quem referiu Portugal como um mau exemplo foi o meu caro! . “o acto de tentar ser português”. Hum… Não o julgava tão envolvido nessa teia patriota vendida diariamente, quase de borla, por políticos e comunicação social em geral! Foi má interpretação minha certamente.

O professor é ainda melhor que esses quizs que fala. É que o professor nem me fez perguntas! E evidentemente que a conclusão de um desses testes nunca será tão poética como a sua. Não contive uma grande gargalhada professor admito. Sendo assim, quase me sentiria tentado a acrescentar novo significado, além dos que o professor referiu. =D

Espero que o dia de aniversário tenha corrido bem. Amanha será um pouco difícil visita-lo mas irei tentar. Até lá. UM BEIJO =D

Ai ai… saudável brejeirice! =D