terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

"O QUE QUERIAS SER QUANDO FOSSES GRANDE?"


O Francisco , Essencias, ( já consegui, Yess!) deixou um desafio no "blog" dele a que eu, prontamente, aderi.
Perguntava ele...

"O QUE QUERIAS SER QUANDO FOSSES GRANDE?"...

E eu respondi, obviamente, com a verdade.
"Eu queria ser caralheiro!"...
Imediatamente o blog parou, em silêncio total, todos os "posts" ficaram suspensos no ar e os diversos deditos, mais elegantes ou mais papudos pararam,suspensos e chocados, esperando o desfecho...
Perante a estupefacção alheia resolvi "sair de fininho" e voltar para casa, antes que a ASAE aparecesse, as pessoas recuperassem do choque, as bocas fechassem, os olhos voltassem a pestanejar, os dedos a teclar e, recuperado o raciocínio, me chamassem "TARADO!"...
Agora que estou aqui, no "Sexualidades, Afectos e Mascaras", na protecção do "lar", vou passar a explicar, detalhadamente, porque é que eu queria ser, na realidade, caralheiro.
Vou descrever aquilo que disse à minha mãe, há muitos anos atrás, mais precisamente quando tinha quatro anos de idade.
Eu queria ser caralheiro...
Porque queria brincar com a coisa do trolha.
Eu tinha visto o trolha a brincar com a coisa dele, com a mão e também queria.
Tinha-lhe pedido para brincar com a coisa dele e ele tinha deixado.
E eu tinha gostado muito...
Momento!!!
Vou beber um copo de água e já venho continuar a história, que ainda por cima é total e completamente verdadeira!
Regressado...
E continuei eu com a minha mãe...
A coisa do trolha era grande e quando eu mexia com a mão ela ficava maior. Dava para apertar e rolar com as duas mãos...
Se eu lhe pusesse água ficava ainda maior e, depois, mais dura.
Mas o trolha tinha dito que eu não a podia meter na boca.
E que não podia contar a ninguém que ele me deixava brincar com a coisa dele porque se eu contasse ele nunca mais deixava.
Penso que a minha mãe ainda respirava, nesta altura...
Por isso é que eu tinha decidido ser caralheiro.
Para poder ter uma coisa só para mim e poder brincar com ela sempre.
Hei!!!
Aquela ali desmaiou...
E você já fechava a boca!
Porque é que estão todos a olhar para mim com esse ar esgazeado?
Uops...
Já sei!!!
É sempre a mesma coisa, quando conto esta história...
Meninos!
Meninas!
Deixem-se de ser perversos!!!
Eu contei tudo à minha mãe!
Acredito que ela tivesse momentos, durante a história, em que se tivesse passado completamente.
Mas era uma mulher extraordinariamente inteligente, além de que era doutorada em Pedagogia...
Bem!
Vamos lá a abreviar!
A coisa do trolha era betume...aquela massa com que se colam os tijolos e que eu adorava porque era muito parecida com a plasticina.
O trolha adorava-me, porque eu era muito parecido com o filho dele e deixava que eu brincasse com o betume mas não queria que eu dissesse a ninguém porque tinha perfeita consciência que era um produto tóxico.
A questão do caralheiro foi porque eu tinha ouvido ele contar que nas horas vagas era cangalheiro, mas como os miúdos estropiam as palavras todas...
Viram como foram maquiavélicos!
A intenção e a perversão, por vezes não estão na cabeça de quem pratica os actos mas de quem os interpreta à sua maneira e intenção!

35 comentários:

Ricardo disse...

Da parte que me toca, e uma vez que fui eu quem lançou a questão, nada do que disse me chocou!!!

Apenas fiquei com curiosidade: não conhecia a profissão de caralheiro....

Agora ficamos a saber que o que queria realmente ser era Cangalheiro!!!

Estou esclarecido!!!!

(Confesso que cheguei a pensar que o caralheiro fosse aquele senhor da Madeira que usa o caralhinho para fazer a deliciosa poncha - para quem não sabe o caralhinho é uma espécie de pilão mas com rasgos na ponta, para permitir uma melhor recolha do mel)

Pearl disse...

Diverti-me, sim. E fechei a boca quando deu instrução para o fazer.

navegadora disse...

lol:) Malandrice...boa história

FM disse...

Não se esqueça de me pagar os direitos, caso contrário a esposa do Ricardo processa-o... (risos)

Sunshine disse...

Não tem nada com profissões ... ou até talvez tenha.
Um dia a meio do jantar, com a maior das inocências perguntei: " Pai quanto vale uma punheta?" Silêncio total à volta da mesa...
Percebi que tinha dito asneira e emendei " Sim, quanto vale uma peseta?2 O silêncio quebrou-se e o meu pai, bancário de profissão, desdobrou-se, aliviado por não ter que responder à primeira pergunta, em explicações sobre câmbios?
Será que não seria assim tão inocente e estava a fazer uma prospecção para a minha futura previsão?:))))
Como não obtive resposta, devo ter achado que a profissão não tinha futuo e aí quis ser algo com um futuro brilhante pela frente "professora"... mas não me deixei ficar por aí queria ser professora de Mattemática.
Agora a sério, adoro sê-lo, apesar dos nossos governantes:(((( Será que esta crítica dá direito a processo disciplinar?:))))

Blue Velvet disse...

Bem, tinha deixado a perunta ao Francisco, mas já estou esclarecida.
Confesso que só fechei a boca porque mandou, mas li até ao fim sem respirar.
Devia ter-me lembrado do dia em que o meu filho, com cerca de 3 anos, sentado à mesa num jantar com visitas, mas mais grave, com os avós presentes também, desatou a dizer:
O menino caralho, o menino caralho.
Fez-se um silêncio mortal até que a empregada explicou: O menino quer o alho do bife. Gosta muito.
Pois!
beijinhos:)))))))))))))))

Manuel Damas disse...

Fez-me soltar uma gargalhada agora com essa do caralhinho, Ricardo. Obviamente que o caralhinho é usado para fazer a bela da poncha!
:))))))))))))))))))))))))))))

Manuel Damas disse...

Também eu me diverti a escrever a história, Pearl, que é total e completamente verídica!

Manuel Damas disse...

Uma malandrice sabe sempre bem, navegadora!

Manuel Damas disse...

Oh Francisco, você tem uma enorme avidez por "direitos"!
Só mesmo os socialistas...só vêm dinheiro á frente!
:))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))
(toma e embrulha...)

Manuel Damas disse...

Oh CC...deve ser um estereotiopo mas eu não consigo imaginar uma mulher, ainda por cima bonita :))) professora de Matemática!

Manuel Damas disse...

Soube bem a gargalhada que lancei por causa da sua história, blue. Um beijinho bom..

RockyBalbino disse...

Bolas, V. é novo Hithcok! Deixou-me de coração nas mãos durante a história toda! :)
A propósito, a minha tia, em pequenina, queria ser vaca. O que deixava o meu avô genuinamente triste, e a desabafar: "Anda um pai a criar uma filha para ela querer ser vaca...".
Não veio a ser vaca, afinal.Nem metaforicamente.

Manuel Damas disse...

Pois..
Nem eu caralheiro!
:)))))))))))))))))))))))))))))))
Seja bem vindo, rocky...
Volte sempre.
será bem recebido.

RockyBalbino disse...

Not that there's anything wrong with that! É uma actividade artística como outra qualquer :)

Abraço :)

Manuel Damas disse...

Por acaso ser vaca deve dar uma trabalheira desgraçada!
:)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

Mize disse...

Professor...a coisa do troha era betume?

Rolinho???duas mãos???? crescia????

tá tudo explicado!

Mize disse...

Quando era pequena queria ser tanta coisa, dependia do meu estado de espirito, mas a partir dos meus 14 anos estava decidida, JORNALISTA. É verdade, embora o meu santo Pai achasse que eu devia era ser JUIZ, é verdade!

Manuel Damas disse...

Betume!!!!
Óbvio...

Juiz????
Dahhhh...
E os cabelos loiros a toga?????
Dahh...

Sunshine disse...

Nem os meus alunos, eles acham que tenho cara de professora de outras coisas...

Olá!! disse...

hahaha cangalheiro... Professor, lamento, mas não tem perfil de cangalheiro, acho que chumbava nos psico-técnicos...
hehehe as coisas que as crianças dizem... surpreendente...;)))

Waldorf disse...

Queria ser velho!
E consegui :P!!!!!

Blue Velvet disse...

Alôôô,
que história é essa de cabelos loiros e toga?
Isso é comigo???
E não é toga carago!
É Beca.
:)))))))))))))))))))))))))))))))))

O link Professor.
O link!!!!!

AllenGirll disse...

Eu estou completamente fascinada com a descrição detalhada da sua história!!!

Um Must!:)

Aposto que deve ter chocado muita gente...Mas a certa altura dá para perceber a origem da palavra "caralheiro"!

E adorei o facto de ser uma história verdadeira, que foi agradavelmente compreendida pela inteligência da sua mãe que já conhecia a sua perspicácia!!!

Muito engraçado, o Sr. Professor!
Só podia ser Aquário!

Bjinhs*

Ricardo disse...

Eu sabia que ia gostar da piada do caralhinho...

♥Coragem disse...

O que eu aprendi neste momento (lá vem ela espreitar oura vez)
Então o betume cresce quando manuseado? Sinceramente não sabia.
Esclarecida.
E juro que fechei a boca no momento certo :)
Coisas de crianças, lembro de ser bem pequena e querer ser peixeira quando maior, aqueles fios de ouro, pendurados nos seus pescoços seduziam-me, talvez o brilho quem sabe ehehehe.
Bj

Manuel Damas disse...

Um beijinho do tamanho da distância geográfica que nos separa. CC...

Manuel Damas disse...

Caralheiro "olazinha" caralheiro!
:))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

Manuel Damas disse...

Eu já nasci velho, docas...

Manuel Damas disse...

Eu não gosto de dizer beca, "blue"...o meu irmão também é advogado e não gosto de dizer beca...lembra-me bico...das aves, obviamente!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
:)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

Manuel Damas disse...

Esta história deu, inclusive, direito a uma redacção da 2-3 classe que guardo religiosamente no meu cofre e em que eu afirmo que "quando for grande quero ser caralheiro!"...
Apenas não sei se foi por isso que vim ter à Sexologia!!!!
:)))))))))))))))))))))))))))))))))

Manuel Damas disse...

Adorei a do caralhinho, Ricardo!

Manuel Damas disse...

Minha querida coragem...venha espreitar as vezes que quiser e bem lhe apetecer.
Satisfaz-me...
Significa que aqui se escrevem coisas de jeito!

Waldorf disse...

Problema teu nelito, eu nasci bebé!!!

Manuel Damas disse...

Chamas a isso ser bébé???
por favor?!...