sábado, 25 de abril de 2009

REVOLUÇÃO DE ABRIL


Celebra-se hoje o 35º aniversário da Revolução de Abril.
Em 1974 foi feita uma revolução, em Portugal, para tentar resolver as injustiças sociais, as assimetrias, a desigualdade, a exploração, a corrupção, a distribuição desigual dos recursos e, acima de tudo, tornar o País democrático, mais evoluído, mais "limpo".
Trinta e cinco anos depois, o que mudou?
As assimetrias sociais agravaram-se...
A corrupção pulula, como nunca...
A exploração dos trabalhadores, a que agora se chama pomposamente "precariedade", instalou-se, de forma oficiosa, adoptando a designação de "recibos verdes", que vão ser agora modernizados, sob o nome de recibos verdes electrónicos....
O desemprego aumentou para valores dramáticos..
A interioridade e os seus efeitos perversos agravaram-se, tornando-se oficial uma real discrepância entre o litoral e o interior, entre as grandes cidades e os pequenos centros urbanos, com nítida e preocupante redução dos equipamentos de saúde, escolares, culturais e desportivos postos à disposição das populações geograficamente menos favorecidas...
As dificuldades financeiras da população são gritantes e visíveis em qualquer canto geográfico deste pobre canto lusitano...
É concreto e oficial que existe fome, como resultado da falta de trabalho nos mais diversos sectores geográficos, profissionais e etários do nosso País...
Estes são alguns dos exemplos sectoriais que saltam aos olhos, permanentemente, a quem se mantém minimamente atento.
O País evoluiu?...
Talvez.
Está agora pejado de auto-estradas, há internet, uma grande maioria da população tem telemóvel, já se pode "ir ao estrangeiro" com facilidade, os MacDonalds pululam, pertence à UE... Duvido, contudo, que estes sejam índices, fidedignos, do gradiente de felicidade dos portugueses.
E isto não é saudosismo, bem pelo contrário...
Apenas desilusão!
Apetece-me, agora, perguntar...
Quando se cumprirá Abril?

20 comentários:

Tite disse...

Quando os Governantes tiverem a ingenuidade e o idealismo dos capitães de Abril e do Povo que então os apoiou.

Anseio por isso mas temo que dificilmente essa coincidência volte a ocorrer nos tempos mais próximos.

Naturalmente outra ocorrerá mas com nuances e cores diferentes. Será que nos agradarão???

bisturi disse...

Caro amigo :
Concordo com a tua visão global.
Mas a tua pergunta global e final penso que tem resposta: Abril já está cumprido!!!
Os 3 DD da Revolução estão cumpridos: Democratizar, Descolonizar e Desenvolver...
Claro que as vias que se seguiram para as cumprir são discutíveis.
Mas temos uma Democracia política e o País não tem nada que ver com o Portugal de 1974, é indubitável...

Agora o que mais receio é o caminho que se avizinha de uma " sociedade vigiada e acomodada", diria mais : estranhamente acomodada.
Receio aquilo que uma maioria política demagógicamente está a urdir por via legislativa: dar meios para pequenos e anónimos personagens vasculhem todos os passos da nossa vida, num voyeurismo indecente e perigoso.
Sem controle e com o beneplácito dos nossos politicozinhos de polichinelo...

Manuel Damas disse...

Minha querida Tite...acho o povo demasiado acomodado para que algo possa ocorrer.
Vamos andando e vendo...

Manuel Damas disse...

Meu caro bisturi...subscrevo em pleno e realço a questão da "população estranhamente acomodada".
E esta situação preocupa-me...

bisturi disse...

Caro amigo:
Queres ver como tenho tristemente razão?
Hoje deu-se em Santa Comba Dão, terra natal do ditador Salazar, a inauguração de uma praça com o seu nome e com pompa e circunstância e promovida por um presidente de câmara do PS, sim , o partido que nos governa !!!
O Povão lá esteve, contente e feliz porque tinha bebida e comidinha à pala...
E SAlazar era bom rapaz e bom português...!!!
MORAL DA HISTÒRIA:
Qualquer populista com comida e bebida tem o Povão do seu lado, vence a barriga e lixe-se as convicções...

Manuel Damas disse...

Eu vi mas, em relação a isso, tenho uma opinião muito pessoal.
"Nada seria sem o meu passado...nada seria se me tivesse contentado com ele"!
Por isso...
:)))))))))))))))

bisturi disse...

Caro amigo :
Se bem entendi também eu acho que um povo sem memória é um povo sem futuro...
E por isso acho que deve ser enaltecido tudo aquilo de que nos devemos orgulhar do nosso passado comum e criticar e lamentar tudo o que de meons bom se fez!!!!

Mas neste episódio há uma conjugação nefasta e preocupante de vários acontecimentos lamentáveis e até assustadores !!!

Que se assumam e não lhes faltaram datas para comemorarem e até se exporem ao rídiculo.
Agora com esta descaradeza é que não!!!
A DEmocracia é o melhor dos governos para as nações mas também transporta em si o germe da sua destruição.
Compete aos autênticos democratas e a todos nós que nos reclamamos da Liberdade denunciar, por todos os meios, essa gente e sem titubiezas !!!

Tite disse...

A Praça já existia há mais de 50 anos. Estava degradada e, como disse o seu Presidente de Câmara o 25 de Abril, se alguma coisa fez foi contribuir para reforçar o poder autárquico (até demais, diga-se) que permite melhorar os espaços mais ou menos utilizados pela sua povoação.

Eu sou pelo 25 de Abril e não vi nada que estivesse em contra-mão com o nosso desenvolvimento.

Também acho que não devemos mudar o nome das Praças só porque se muda de Governo.

Tudo o que é fundamentalismo estraga ou impede o desenvolvimento.

Desculpem mas tenho que desabafar a minha opinião.

bisturi disse...

Caro colega:
Permita-me respender à Tite...que não sei quem é..
Mas NÃO NEGO que aquela recôndita praceta de Santa Comba Dão não estava a necessitar de arranjos, e tão necessitados estão os nossos autarcas delas em ano de eleições...!!!

Agora inaugurá-la em dia de comemoração da liberdade ???

Santa paciência...

O senhor presidente da câmara o que fez foi "contribuir para reforçar o poder autárquico"???

Isto cheira-me a pescadinha com o rabo na boca ou a gato escondido com o rabo de fora e se calhar à espera de comer a pescadinha...

Empanturrar o povão com sandes de feveras de porco e alegrá-los com cerveja à discrição, não será CACIQUISMO E POPULISMO BARATUCHO ???

Claro que os vivas, de copo na mão, à saúde do dito presidente saíram sem dificuldade...!!!

Portanto: NÃO CONFUNDÁMOS PODER AUTÁRQUICO COM CACIQUISMO...

Manuel Damas disse...

Meu caro bisturi...acho que estas a exagerar. Não é necessário esquecer ou branquear a história de Portugal.
A Democracia é a prova disso.

Manuel Damas disse...

Minha querida Tite não precisa de se desculpar para emitir a sua opinião.
Até porque concordo consigo na totalidade.

Manuel Damas disse...

Meu caro Bisturi...volto a afirmar...não sou a favor de fundamentalismos, seja qual for a proveniencia deles.
Acho ridícula a história e o relevo que estão a querer dar ao episódio do Largo de Santa Comba Dão.

bisturi disse...

CARO COLEGA:
Não se irrite...
Abaixo os fundamentalistas mesmo que sejam "Ácidos e Breves..."!!!( it's a private joke) eheheheh
Para finalizar , cá vai o parecer da DONAROSETE com humor Q:B:



"Praça Salazar
Quando o povo gritava aquele slogan, “25 de Abril Sempre, Fascismo Nunca Mais”, o que o povo deveria ter gritado, para tornar a coisa mais realista era “25 de Abril Sempre, Fascismo o menor número de vezes possível”. Porque a verdade é que anda por aí muito boa gente a suspirar pelo regresso do Professor Salazar. E não falo do Professor Salazar Casanova-Engatatão-Maroto que vimos na série de TV; mas o outro, o senhor que já nasceu velhinho, que possivelmente nunca teve relações sexuais na vida e que protegeu o povo dos males do mundo com tanta força, que se o povo quisesse sair um bocadito da protecção do professor para ir apanhar ar, não conseguia.
No dia 25 de Abril, parece que a Câmara de Santa Comba Dão rebaptizou aquele que era conhecido até aqui como Largo da Praça, como Praça Oliveira Salazar. Houve festa da boa que incluiu porco no espeto – e não me admirava que, pela mesma lógica, também tivessem rebaptizado o porco como Porco Salgueiro Maia, já agora.
O Presidente da Câmara veio a público dizer, com um ar muito pacato, que foi uma coincidência, inaugurar a Praça Oliveira Salazar logo no dia 25 de Abril. Há quem tire várias conclusões desta afirmação do autarca, mas eu só tiro uma: este autarca é um grande homem... para concorrer ao concurso do Malato, o “Jogo Duplo”! É que a gente quase acredita nele!
Sabem o que é que Santa Comba Dão me lembra, cada vez mais? Lembra-me um sítio muito bonito onde eu e o Gouveia fomos uma vez, que ganhámos a viagem num concurso e tudo e tudo. Santa Comba Dão lembra-me a Euro Disney! Só que em vez de ser um parque de diversões do Mickey, é um parque de diversões do Salazar.
A sério: há a praça, há a campa, há o museu Salazar, e eu pergunto – para quando a Montanha Russa Salazar? “Venha cair da cadeira... de uma altura de 100 metros!” E já agora, abria-se também um – como é que se chama aquilo, que é estrangeiro, para fazer ginástica?... Um elte-clube. Assim os fãs do Professor podiam experimentar aquele tipo de exercícios que se praticavam muito naquela altura e que, de acordo com o pessoal da PIDE - que eram assim uma espécie de treinadores pessoais - até enrijavam uma pessoa. “Venha passar uma noite sem dormir!”
E é urgente que a câmara de Santa Comba Dão abra um campo decente de Paintball, onde o povo possa andar ali à vontade a caçar comunas.
Enfim, ideias. Mas não as gaste já todas, senhor Presidente da Câmara. Olhe que para o ano há outra vez 25 de Abril! "


PUBLICADO POR donarosete em 27.04.09 in www.tsf.pt

Manuel Damas disse...

GOSTO DAS CRÓNICAS DA ROSETE...
Ai gosto, gosto, gosto...
:)))))))))))))))))))))))))))

lumiere disse...

em poucas palavras "senhor falta cumprir-se POrtugal"
acho que digo tudp

Manuel Damas disse...

E diz muito bem, Lumiere, tal como o poeta que escreveu o poema que se tornou a letra dessa canção!
:))))))))))))))
Um grande abraço e até dia 30?
:))))))))

Gundemarus disse...

só me ocorre uma palavra:
TRISTEZA...
resume exactamente o que sinto quando me chegam noticias como estas e me apercebo da triste realidade que assola o meu querido cantinho.
Nao é nostalgia, que podia bem ser, já que aqui onde me tens, fui dos que desde os meus 10 anos sempre acudi às comemoraçoes do 25 de Abril e tratei de entender o que representava.
Nao, é mesmo tristeza, porque se é verdade que em paises ditos desenvolvidos e nossos supostos parceiros na Uniao Europeia existe censura (Em españa nao há noticia sobre a casa real que seja publicada sem previa aprovaçao do chefe de gabinete de Sua Majestade) e existem reminescencias de um pasado fascista e ditatorial, pelo menos sao honestos e menos subversivos que em Portugal, onde os atropelos aos direitos e liberdades dos cidadaos sao uma constante, apenas que maléficamente escondidos e ocultados da opiniao publica, para nao "ferir susceptibilidades" ou porque os nossos governantes creem que o povo é ignorante e nao entenderia as razoes de todas essas trapaças...
Estou cansado de que ao povo portugues se lhe passem atestados de ignorancia e que nao haja ninguém com coragem para lhes exigir uma explicaçao.
Se de mim dependesse, nao digo que nao nos fod***em igualmente, mas pelo menos teriam de me dizer quem, como, quando e porque nos estao a fod*r.

Manuel Damas disse...

Meu querido Gunde...falta cumprir Portugal!

Ricardo disse...

Eu acho que se cumprirá Abril quando todos nós, em vez de andarmos aqui a dizer mal deste governo, deste ou de outro ministro, fossemos era votar. Aí sim, se cumprirá Abril.

E porque a música não tem cor política, sejam eles Amália ou Zeca Afonso, cá lhe deixo um poema deste último, infelizmente muito actual nos dias de hoje:

"Quem diz que é pela rainha
Nem precisa de mais nada
Embora seja ladrão
Pode roubar à vontade
Todos lhe apertam a mão
É homem de sociedade

Acima da pobre gente
Subiu quem tem bons padrinhos
De colarinhos gomados
Perfumando os ministérios
É dono dos homens sérios
Ninguém lhe vai aos costados"

A pergunta é: o que mudou? Se calhar só as caras...

Confesso que quando li este poema, me veio à cabeça o Socrates (o político, não o filósofo) mas de facto ele foi feito para o outro senhor. E a si?

Manuel Damas disse...

Meu caro Ricardo...eu nunca deixei de votar e, acima de tudo, nunca deixei de o revelar, publicamente.
Um abraço