domingo, 11 de fevereiro de 2007

O REFERENDO SOBRE A IVG



Segundo informações do Secretariado Técnico dos Assuntos para o Processo Eleitoral, criado especificamente para o efeito pela Comissão Nacional de Eleições, a afluência às urnas situava-se nos 11,57% às 12 horas e em 31,31%, às 16 horas.
A CNE prevê, com base nestes dados, uma abstenção a rondar os 60% pelo que, a confirmarem-se estas previsões, a consulta não será vinculativa.
Deste modo, verificando-se que os resultados do referendo não são vinculativos, tudo poderá ficar na mesma...regressando a questão às mãos do Governo de onde, pelos vistos, nunca deveria ter saído!
Afirmei-o, aqui, peremptoriamente, há cerca de duas semanas!
E não me parece legítima a desculpabilização com as condições meteorológicas...
Independentemente de como irá ficar a questão da IVG, a verificar-se este nível de abstenção, e sendo este o terceiro momento referendário no Portugal da modernidade, ficará espaço para questionar a validade de continuar a insistir nesta forma de consulta popular, que a população portuguesa, ,à luz dos resultados, parece não querer validar.
Será este um índice de cidadania?...
Com estes resultados os portugueses não parecem estar preparados para a verdadeira democracia ou, pelo menos, manifestam um evidente desinteresse pela forma referendária de consulta popular.

2 comentários:

Mize disse...

Também não me parece que o «mau tempo» seja desculpa. Votar é um dever. Votar é exercer o nosso direito de cidadão.

Mas agora, cá para nós, isto vai ser uma dor de cabeça para Sócrates.

Manuel Damas disse...

Acha, Maria José???
Vai já embandeirar em arco, cantando vitória e deixando esquecer o pequeno pormenor de mais este referendo não ser vinculativo...
Espero que não esqueça a Educação Sexual...mas duvido!