sábado, 28 de abril de 2007

MEMORIAS DE ADRIANO



"...a injunção que consiste em amar outrem como a si mesmo;é demasiado contrária à natureza humana para ser sinceramente obedecida pelo homem comum, que nunca amará senão a si próprio, e não convém de modo algum ao sábio, que não se ama particularmente a si próprio."
Marguerite Yourcenar

10 comentários:

Patrícia disse...

este excerto confundiu-me...como "homens comuns" não amamos se não a nós mesmos?então caíria no erro de me considerar "sábia"..isto dói mesmo professor...se dói...

Manuel Damas disse...

Não é por aí...É no sentido de que amar muito alguém é difícil para o homem comum que apenas sabe amar-se ou para o sábio que nem a si se ama...Mas é a opinião da autora...Eu acho possível amar alguém como a mim próprio.

Patrícia disse...

se não mais que a si mesmo...

Manuel Damas disse...

Pois...

Cristina disse...

Este poderá ser um Amor com uma série de vírgulas mas que que nunca terá um ponto final.

Por favor, professor, não fique assim, triste, amargurado ... lembre-se que há pessoas que são felizes pelo simples facto de você existir.
Você ainda tem tantas coisas fantásticas para fazer: o piano, um livro, um concerto, outro livro ... vá lá!!!
Fique bem porque há muitos que lhe querem bem.

joana disse...

Professor,concordo em pleno com as palavras da Cristina,anime-se,por muito dificil que seja há pessoas que gostam muito de si e não gostam de o ver assim,porque o professor é uma pessoa de afectos sofre,mas como grande Homem que é,vai conseguir ultrapassar esta fase,,,
Professor orgulho-me muito de um dia ter descoberto este blog e ter começado a falar com uma das pessoas mais extraordinarias,que existem,é simplesmente daquelas pessoas que desejamos que entre nas nossas vidas,e permaneça,é um Homem fantastico professor,por isso lhe desejo toda a felicidade do mundo...
E nunca se esqueça que as pessoas que lhe querem bem estarão sempre consigo,em todos os momentos
beijinho grande professor cheio de carinho e amizade...

Manuel Damas disse...

Obrigado, Cristina, pelo apoio.Eu sei que ainda tenho muito para fazer e para dar.E vou fazê-lo!!!A suprema ironia é que os momentos de regojizo deixaram de ser partilhados a dois e tal facto cria um enorme deserto afectivo...E doi.Nada mais.

Manuel Damas disse...

Muito obrigado, Joana, pelas palvras carinhosas.Sabem sempre bem ao ego e animam, muito, a auto-estima, os carinhos dos amigos.

tina disse...

como te entendo, meu lindo, como te entendo... e sabes que estou aqui, uma amiga de alex.

Manuel Damas disse...

Eu sei que estás, Tina, como sempre estiveste e como sempre estarás.Um beijo enorme