sábado, 12 de abril de 2008

DE NOITE...


A Noite...
O dia...
A noite do dia...
A angústia da noite.
A imensidão da noite.
A solidão da noite.
A solidão na noite...
De dia os sorrisos possuem cor, som, luz.
De noite...
De noite, caiem as Máscaras.
De noite não é obrigatório rir, mesmo sem razão.
De noite tudo existe.
De noite tudo é triste.
De noite tudo é possível...até o Fim.
De noite...
De noite os passeios não encaminham as gentes que, anónimas, os percorrem...aos passeios, às ruas, aos atalhos e aos trajectos da existência...de uma existência anónima, que deste modo se perpetua.
De noite os caminhos não encaminham as gentes, excepto as que da noite fazem dia.
De noite os caminhos estão lá, vazios, à espera. À espera que se faça dia e voltem a ser percorridos, gritados, corridos, suados, preenchidos, tantas vezes de forma insana, até à loucura, até à desistência, até ao fim.
De noite...
De noite os quiosques estão fechados. Não vendem os jornais que contam as notícias das vidas dos outros. Não vendem as revistas que fazem sonhar aqueles que nunca sonham, porque não podem e, por isso, deixaram de o saber fazer. Não vendem as revistas cor de rosa que de rosa nada têm e que vivem das Máscaras, suas, dos outros, de todos. Revistas que vão ficar esquecidas numa qualquer mesa esquecida numa qualquer esquecida sala de espera, perdendo a cor, ficando desmaiadas, descoloridas, sempre iguais...pobres revistas usadas. Não vendem as pastilhas elásticas para aqueles que, de forma enraivecida, trincam a vontade, de fumar, de esquecer, de viver, de voar. Não vendem os bilhetes que, oferecem prémio e assim permitem sonhar com a fuga. Não vendem as guloseimas que, de forma ilusória, tentam adocicar uma vida que é triste e azeda porque sempre assim foi e deste modo se perpetuou, igual a si própria.
De noite...
De noite o silêncio tem outro peso, mais pesado, que se faz ouvir cá dentro.
De noite...
De noite a noite passeia-se, triste e a própria solidão também, quais amantes já fantasmas.
De noite a solidão causa outra dor, maior, mais sofrida, mais escura, mais sentida...porque é de noite.
De noite estar só é estar mesmo só...sem ninguém.
De noite estar só é sofrer o peso que rasga, angustiante, das ausências e, muitas vezes, das presenças já não desejadas.
De noite...
De noite a chuva molha, mais do que de dia, porque molha por dentro de tudo e de todos.
De noite a chuva molha por dentro da solidão, criando saudade...a saudade de ter, a saudade de ser.
De ser alegre...
De ser feliz...
De ser qualquer coisa.
Mas ser!
Quanto tempo dura uma notícia?
Salvo raras excepções, como a morte de um qualquer conhecido ou importante, a notícia dura, precisamente, o tempo que a tinta do título demora a desaparecer.
Por isso, hoje, a generalidade das notícias nada vale, pela sua curta existência.
Hoje já não há actualidades, porque já nascem atrasadas, antigas, gastas.
De noite...
De noite, os jornais adquirem uma outra utilidade, mais importante...manter quente uma refeição que precisa de alimentar e aquecer um corpo que já não tem nada para oferecer.
De noite, os jornais também aquecem, não com o peso das notícias até porque, de noite, as notícias já não têm peso. Mas de noite os jornais reforçam o peso das cobertas velhas, esquecidas pelo tempo, mas que ainda tentam aquecer e então, os jornais voltam a ter utilidade de vida.
De noite...
De noite o vento, cortante, fere mais porque é mais escuro e mais frio e mais uivante...são os uivos do vento que passa e que parece chorar deixando cair lágrimas, deixando cair lamentos.
De noite...
De noite as folhas das árvores, que são verdes, perdem a cor e ficam escuras, como escura é a noite.
De noite...
De noite até o chão da rua é diferente...fica mais escuro e mais só...Por isso, mais feio.
De noite...
De noite a única música que se ouve é a música das vidas que dormem, latentes, mas, acima de tudo é a música do abandono, da solidão, da desistência, do silêncio.
De noite...
De noite é mais fácil chorar, porque as lágrimas caiem, com tempo, sem necessidade de serem furtivas.
De noite...
De noite até o ar é mais escuro, da cor da noite.
De noite...
De noite não há luz, porque é noite e a noite, para ser noite, tem que ser grande e escura e fria...
De noite, é de noite...até ser dia, outra vez.
Manuel Damas in "O Primeiro de Janeiro" a 13-4-2008

33 comentários:

** Jo@ninh@ ** disse...

A noite tem o seu quê de fascinante. A noite ajuda a pensar... Adoro olhar para as estrelas numa noite quente de verão! E adoro ainda mais se a companhia valer a pena! =D

Bjitu professor!

PS: Faz falta uma visitinha lá pelo But'Rir! :-)

Manuel Damas disse...

Olá **jo@...
Lá irei.
Um beijito

FM disse...

É Professor, de noite "todos os gatos são pardos"...
Que as noites também sirvam para clarear muitos dias...
Abraço.

Manuel Damas disse...

Um abraço, Francisco.

Patrícia disse...

arre que eu cá não gosto nada nada nada da noite. claro que há noites e noites. mas a noite mete medo. há noite, todos os fantasmas que durante o dia nos foram perseguindo e dos quais fomos conseguindo fugir, cercam-nos e tiram-nos o sono. detesto aquelas horas na cama, às voltas, lutando para adormecer, lutando contra as malditas insónias.
não gosto das noites e pronto lol, não gosto:p

diabitah disse...

De noite...tudo é diferente.
De noite...a vida perde a cor.
De noite...fazermos viagens no tempo sem principio nem fim...
De noite...procuro estar perto dos que pela distancia estao longe de mim...
De noite...pergunto varias vezes porque e que a vida tem de ser assim..

Esta fantastico o seu post Dr.

Beijinhos...obrigado por este momento...esta noite!

bisturi disse...

Continuo desesperadamente à espera de alguém com algum sentido crítico construtivo ou até mesmo não construtivo, mas inteligente, que fuja do banal: fantástico ...gostei mas não percebi nadinha mas o que importa é bajular, não é?...bjs...lol...adorei...bjitu...:p... papinhas cerélac ou néstle...não importa!
UM GRANDE BAH...não me apetece ser sincero...até para não ser desmancha prazeres...bah,bah.bah

macaw disse...

e há noites assim!
é à noite que as máscaras realmente caem e as pessoas mostram o seu verdadeiro "eu" (aquelas que não têm crises de identidade claro! LOL), são mais livres, selvagens e são!
eu adoro as noites, mesmo quando sozinha, porque não significa necessariamente solitária.

Boa Noite!
bjiinhos ;)

Coragem disse...

Professor adorei.
Tantas são as vezes que no silencio da noite me procuro
Ao mesmo tempo o ruido ensurdecedor do silencio me assusta
Beijinho

Tom disse...

Muito bom Professor. Já fez o meu conseho de ir até à Fátima Mendes? prefiro à Fashion Clinic.

Manuel Damas disse...

Eu, apesar de tudo, gosto da noite, Patrícia.
Um beijinho grande

Manuel Damas disse...

Um beijinho, "diabitah"...

Manuel Damas disse...

Meu caro "bisturi"...Tive para chamar a esta crónica "Ode à noite, triste!"...
Ajuda?
Talvez o problema seja não nos devermos esquecer que os cirurgiões acham que deitaram fora aquilo a que Aristóteles chamou "De anima"...
:P

Manuel Damas disse...

Uma Boa Noite para si também, "Mac"...

Manuel Damas disse...

Um beijinho compreensivamente solidário, "Coragem".

bisturi disse...

h colega Damas...acha mesmo que os cirurgiões não têm alma? Não quero acreditar nesta opinião estereotipada... ou foi só uma alfinetada de maldade?
Um abraço


Já agora que significa :P ?

Sunshine disse...

A seguir à noite vem sempre o dia e eu gosto de acordar pensando que tenho um dia novinho em folha pela frente. A noite serve para nos prepararmos para o dia!
Beijinhos com raios de sol poente

Manuel Damas disse...

Foi apenas uma alfinetada, não de maldade, mas de provocação. E o :P é um sorriso com a língua de fora!
:D

Manuel Damas disse...

Gosto desse ar de esperança, CC. Beijinho grande e boa semana.

LeniB disse...

Excelente texto/poema.
A noite é mesmo a sombra da alma.

Maf_ram disse...

A noite física é necessária para o descanso... dá vigor ao corpo e à mente se for vivida para o que deve: dormir. Essa permite viver!
A noite psicológica, aquela que se pode ter em qualquer altura do dia ou da noite, essa é um mundo de morte!

Gostei muito do texto.

Bjs

Manuel Damas disse...

Obrigado Lenib.
A noite é a noite...infinda de escuridão e de solidão.
Um beijinho

Manuel Damas disse...

Um beijo grande, maf_ram e obrigado pela visita.

Olá!! disse...

A noite é quando o sol, cansadito, vai dormir e manda o substituto, menos esplendoroso, substitui-lo...
Gosto da transição, pôr e nascer do sol...
São os momentos mais bonitos do circulo solar...
Beijosssss

Sunshine disse...

Será que a noite psicológica não é a preparação para uma nova etapa da nossa vida?
Beijinhos com raios de Sol radioso

Pinto disse...

O dia é para o Mundo, a noite é para cada um de nós pensar como foi e como esteve, ao longo do dia, para o Mundo. Mas o exame que cada um faz não se limita a pensar em como se deu, como partilhou, o quão alto riu ou como magoou durante o dia...A noite traz, também, a lembrança poderosa de quem partiu. A noite traz, também, a lágrima de Dor e de Revolta. A noite traz consigo, também, a mágoa de estar numa casa mais vazia e fria (quase gélida), sem O Afecto, sem o riso inocente e contagiante de quem partiu. A noite traz, igualmente, o Vazio sedento de ser preenchido numa fragilidade emocional nunca antes tida. A noite traz às costas a terrível verdade de alguém que viveu mascarado a vida toda e, que, num infindável espaço de cinco segundos, se destituiu de si para se entregar.
Mas a noite, porque é meiga também, traz a preparação para o dia seguinte, traz o poder do sonho, traz a noção de um Caminho - do meu Caminho - traz ventos de Mudança, de Metamorfose, de Crescimento, de Aprendizagem. No entanto, ir aprendendo custa, é pesado e não é grátis!
Alternando com noites gélidas que nem os cobertores aquecem e outras mais leves...vou aprendendo.

Um abraço de quem nem sempre escreve, mas que todos os dias dá uma olhada para as novidades deste singular espaço.

joana disse...

Por vezes a noite é a melhor conselheira.
Professor faz falta uma visita sua no meu bloguinho;)
Beijo e uma boa semana.

Manuel Damas disse...

Beijinhos grandes e fofos, "Olazinha"...

Manuel Damas disse...

Os raios de sol radioso porque aqui são fundamentais, CC.
Um beijinho grande.

Manuel Damas disse...

Meu querido "nuno"...como te compreendo...
Abraço-te por compreenderes a noite e por estares a crescer e a deixar cair Máscaras. Doi...mas alivia e faz bem.
Eu...eu continuo a palavrar.

Manuel Damas disse...

Oh Joana...são tantos a queixar-se.Mas lá vou!:)

Blue Velvet disse...

Adoro a noite, para ler, escrever, viver, pensar, amar.
Até já fiz um post sobre isso.
Chamava-se 25ªHora.
Mas é de noite também que tudo o que escreveu acontece.
Para quem não é escritor e anda com falta de inspiração, até que não está mal:)
Beijinhos e veludinhos

Manuel Damas disse...

Continuo a estranhar as ausências e a falta dos cetins!
:P