sábado, 3 de fevereiro de 2007

ABORTO CLANDESTINO EM PORTUGAL



O único estudo credível existente em Portugal acerca do aborto clandestino é da autoria da APF.
Envolve 2000 mulheres e calcula que 14,5% dessas mulheres, tendo em conta as respostas recebidas, entre os 18 e os 49 anos de idade, já abortaram.
Extrapolando, chega a um total estimado entre 346.000 e 363.000 abortos efectuados.
Com todas as variáveis e condicionantes presentes o estudo avança uma janela entre 17.260 e 18.000, relativamente aos abortos efectuados no último ano.
São resultados que devem ser pensados com muita seriedade e serenidade!
São milhares de dramas pessoais...

4 comentários:

Mize disse...

São de facto números que arrepiam. Números de vidas, números de histórias proibidas, números que não podem ser ignorados, números que não deveriam existir. Ninguém é a favor do aborto. Mas este descartar de responsabilidades do Governo «dá-me» nos nervos. Esta matéria, tão inconveniente para Sócrates, que sacudindo a água do capote, lança a batata quente para a polulação, está a povocar uma desinformação terrorista, e peço desculpa mas não só por parte dos movimentos do Não, os movimentos do sim também se passam. Está a ser vergonhoso. Que dia 11 chegue para que se acabe com esta guerra de palavras.

Manuel Damas disse...

Não tem que pedir desculpa, Maria José!
Eu concordo consigo plenamente!
Neste momento as atoardas são disparadas de ambos os lados...
Parece uma batalha, "sem rei nem roque", em que tudo dispara, sem saber bem para onde, nem porquê!
Parece uma histeria colectiva ...o que interessa é disparar, sem fazer mira, nem escolher as munições!
E também disso tenho receio...demasiado ruído incomoda, cansa e desmotiva!
Ainda bem que 11/2 é já daqui a meia dúzia de dias...

Cristina disse...

Fazer campanha sim mas com consciência porque o que se tem feito é tudo menos campanha.
Informar com seriedade, com respeito por um assunto que está dependente de uma votação do povo porque o povo confiou num Governo que na hora de decidir simplesmente sorriu e disse "é melhor que sejam vocês a fazer alguma coisa para que depois não me acusem de nada".
Assim até eu sei fazer política!

Aborto clandestino, jamais!

Manuel Damas disse...

Votar NÃO no dia 11/2 é votar a favor do aborto clandestino!