sábado, 3 de março de 2007

LEILAO DE ANTIGUIDADES





Já não ia a um leilão de antiguidades há séculos...
Quando jovem adolescente habituei-me a, durante anos, frequentar com os meus pais, os leilões de antiguidades!
Um ritual único...
Uma ambiência sem igual.
Caras que observam, sem que se note que procuram.
Um ritual de caça...
Jovens, adultos, idosos...casais, solteiros, divorciados, viúvos.
Pequenas-grandes realidades que, "in situ", se transmutam!
Com o tempo passei a diferenciar o pau santo, do pau preto e do pau rosa.
O mobiliário Renascença, Renascença Italiana, Império.
Aprendi a distinguir a Companhia das Índias, a terracota, a dinastia Ming, a família rosa, a família azul, as mil folhas.
Na Vista Alegre, o VA azul, o VA verde, o VA dourado...e os mais antigos...o galo dourado, o ponto...
A louça de Limoges, a faiança inglesa, capo di monti.
Nas pratas fizeram parte do meu imaginário a punção Javali, a Porto-Coroa, a Águia, a Bichinha...
Na pintura, Medina, Bual, Paula Rego, Armanda Passos e tantos, tantos outros.
E criou-se um fascínio, por todo este teatralizar das emoções...
A invasão de casas estranhas, realidades afectivas do passado, desnudadas ao mundo e a desconhecidos.
A voragem da boa compra!
E, acima de tudo, já em plena assembleia do leilão, a adrenalina da licitação, a guerra entre compradores, verdadeira afirmação de masculinidade e de poder, quando se ganhava a licitação...um assumir de pública impotência quando se perdia ou se tinha que desistir, derrotado!
Anteontem, depois de muitos anos afastado, regressei e, num repente, voltei ao passado!
E soube bem, foi nostálgico!
Apaixonei-me por um busto, em bronze, do Soares dos Reis, datado e assinado!
E toda a adrenalina de conseguir a presa voltou.
Depois de uma guerra, venci e já cá está o busto, no sítio certo, agora "nos meus domínios"!
Acrescentei ao espólio, uma caixa oriental em estanho, com aplicações em relevo e uma placa em alto relevo com 3 anjos barrocos.
Foi interessante e nostálgico!
Soube muito bem...
Senti-me regressado...

7 comentários:

Patrícia disse...

acto engraçado...pelo menos parece nos filmes:-)
seja rápido a corrigir os exames porque eu quero saber se sei fazer contas...:-)

Manuel Damas disse...

Meu anjo...a correcção, comigo, é sempre demorada...e reza o hábito que vocês acabam por concluir que, comigo, não sabem fazer contas...
Assim reza a história!

Cristina disse...

Nostálgico,ah? Realmente, são peças muito bonitas ... gosto particularmente do busto de Soares dos Reis.
Parabéns!

Manuel Damas disse...

Pois...
A nostalgia da idade...
:)))
Também eu adorei o busto, Cristina e quis que fosse meu.
E consegui...mas não foi demasiado caro.
Foi um momento docemente nostálgico...

Mize disse...

Lindas marcas de história.

Manuel Damas disse...

Lindas marcas de história, que trazem atrás de si, afectos e que, ao longo dos tempos, são capazes de gerar novos afectos.

piki disse...

Gostaria de contactar consigo . tenho um busto de Soares dos Reis, muito parecido ou igual ao seu, que guardo também com muita paixao e afeto. Está datado e assinado, e parece
igual ao seu
Maria Manuela