quarta-feira, 21 de março de 2007

O MAR...



Tanto se escreveu e escreverá sobre o Mar!
Acabo de enviar para "O Primeiro de Janeiro", para publicação no próximo Domingo, no caderno Sete, na rubrica Sexualidades, a minha próxima crónica, desta vez sobre o Mar...
Penso que será uma das mais belas crónicas que escrevi, sem falsas modéstias...
Se não o fôr será, todavia, uma das mais realistica e profundamente sentidas...

16 comentários:

cj disse...

tem razão o ser humano associa muito o mar ao amor acham isso muito romântico!!!pffff é mesmo assim tem altos e baixos como as ondas, por isso que me viro mais para a Lua acho a mais sincera e verdadeira, bela e misteriosa bref que de qual tem a sua preferência... Há que respeitar.

Cristina disse...

Apetecia-me aconselhar terapias à base de mar a muitas pessoas.
Por exemplo a determinados professores que com as notícias que vêm a público, consideram agora que podem dizer e fazer o que lhes apetecer porque a "faca e o queijo" está nas mãos deles.
Quando um aluno responde ao professor exactamente com a mesma frase que este lhe disse antes, o que acontece?
Bom, o aluno tem uma falta disciplinar e nada mais pode fazer porque já está e tem mais é que seguir caminho mesmo que seja posto de lado.
Pois é, a professora pode dizer "era demais para ti" mas o aluno não pode dizer "era demais para si".

Em que ficamos? Há problemas nas escolas mas será que os professores saem impunes de todas as situações?
Onde pára a pedagogia?

Talvez uma boa terapia fosse adequada.
Eu quero acreditar no sistema de ensino, quero confiar nos professores mas há coisas que me deixam apreensiva.

mar, mar, muito mar para toda a gente e já agora uma boa dose de paciência!!!

Manuel Damas disse...

Cj...A perspectiva da crónica e deste post nem sequer tem muito a ver com o lado romântico do mar.Tem muito mais a ver com o lado de apoio na desilusão, o lado de disponibilidade na mágoa e na solidão dos afectos...
Logicamente que cada um escolhe a "figura" da Natureza que mais o atrai...mas acabamos, quase sempre, por escolher algo.
Seja bem vindo/a e volte sempre.

Manuel Damas disse...

Cristina...a questão sobre o sistema de ensino, em Portugal, neste momento, é muito complicada. Há casos e casos! Todavia, e em termos globais, eu defendo o reforço do poder do professor em contexto de aula que acho que está extrordinaria e perigosamente desvalorizado.Tão só e apenas...

Mize disse...

O artigo está excelente. Verdadeira prosa poética.
Parabéns.

Cristina disse...

Claro que quem manda nas aulas é o professor mas isso não lhe dá o direito de chamar "burro" ao aluno nem discriminar nenhum deles.

Quando um professor não se sabe dar ao respeito isso leva a situações muito complicadas. E depois não podemos esquecer que há pais e pais.

Respeito o trabalho das escolas, dos professores mas há uma reciclagem que deve ser feita e também deve ser tido em conta o curriculum de quem para lá vai.

Patrícia disse...

temos saudades suas professor

Manuel Damas disse...

Obrigado Maria José.Acho que é das crónicas mais bonitas que já escrevi.

Manuel Damas disse...

Desde que haja respeito entre as diversas partes intervenientes, penso que o problema se resolve, Cristina

Manuel Damas disse...

Também tenho muitas saudades vossas, Patrícia

Patrícia disse...

surpreendentemente este caro senhor "dono" deste blog, professor que é, manifestou-se verdadeiramente justo no que dá e deixa receber dos alunos. isto sim é pedagogia, porque ensinar é mostrar que existem direitos também e deveres, mas consigo professor, acho que a brincar a brincar deu e recebeu na mesma moeda connosco seus recentes ex-alunos:-) e na faculdade só encontrei dois professores assim, é pena, porque ali são poucos os que nos tratam como adultos que supostamente somos.
acreditem que se este senhor me chamou "loira" eu lhe respondi na mesma dose e acabámos a sorrir todos...

Manuel Damas disse...

Acredite, minha querida Patrícia que conhecê-la foi um verdadeiro acto de prazer!
Gosto muito de si.
Obrigado pelos elogios.

Patrícia disse...

obrigada eu professor, acho que na faculdade o mais importante não são os conhecimentos sobre a matéria que os professores nos ensinam, porque para isso bastaria que todos fossem auto-didactas, mas o que realmente importa são as pessoas que se descobrem e redescobrem a cada aula, em cada confissão partilhada...

Manuel Damas disse...

Realmente, Patricia, a Universidade também deve dar competências nas relações interpessoais...e aí, descobrem-se maravilhas...

__Janinha__ disse...

ola professor!!
o Mar...é das coisas mais marcantes na mnha vida...das que sinto mais falta!ele a mim transmitia.me calma,paz mas tb recordaçoes nao tao boas...(desde o momento k a noxa familia,pexoas k nos eram mt keridas e que em tempos viviam á base do mar e dps morrem)pode tb transmitir tristeza, saudade...
talvex seja por á muito tempo estar longe dos k sp m apoiaram em td k tenho estado menos felix...tento muitas vezes rir sem ter realmente vontade d o fazer...mas faço.o por mim e por akeles k gostam d mim e nao gostam d m ver triste..
eu k em tempo transmitia tanta alegria ja n sou exa pexoa...
ja nao m sinto axim e n percebo mt bem o porquê!!
quando algo m faz felix ,e penso k agora sim td vai correr bem , existe sp algo ou alguem k estraga a mnha felicidade!
desculpe este desabafo prof mas estava a precisar...
apesar d n ter comunicado mt consigo admiro.o mt e gostei mt d ter tido o praxer d o conhecer..pois a sua personalidade é algo k nc irei eskecer..
cumprimentos km saudades***

Manuel Damas disse...

A felicidade nao tem hora marcada para chegar...aparece e instala-se, quando menos se espera...nós é que a desejamos sempre, e para ontem, janinha.Apareça sempre que puder e quiser...será bem recebida!