domingo, 25 de março de 2007

O MAR...



“Nunca escreveste sobre mim!”, atirou-me o mar.
E continuou, em tom de lamento...
“Foram tantos aqueles que o fizeram!
Prosa...Poesia...
Compuseram baladas! Produziram Filmes! Só tu, meu descarado egoísta, nunca escreveste sobre mim!
No entanto, deves-me tanto!
É uma enorme injustiça!...
Estive sempre, sempre, disponível para ti...Quantas mágoas lavaste comigo? Quantas vezes te vi chegar, destroçado, rasgado, em cacos?...Quantas vezes choraste à minha frente, dobrado, encolhido, enrodilhado na dor!
E eu?
Eu, sempre te acolhi...
Soube receber-te, ouvir-te, acarinhar-te, proteger-te!
Quantas vezes vociferaste, acalentado pelo rebentar das minhas águas revoltas?
Quantas revoltas te amainei?...
Quantas desilusões te aplaquei?...
Quantas vezes deixaste descansar os olhos molhados, cansados, desiludidos, no meu horizonte? Molhados pela dor, pelo abandono, pela solidão...
Quantas vezes te sentaste em frente a mim, abandonado, esquecido do tempo das horas e eu te contemplei com carinho, desejoso do teu recobro, ansioso por te ver erguer de novo, disponível para enfrentar tudo e todos, disposto a lutar, preparado para continuar?
Sabes?...
A minha vastidão desarma qualquer um.
A minha imensidão recebe tudo e todos havendo lugar, sempre, para mais um...
O meu troar acalma o turbilhão em que muitas vidas se transformaram.
O meu ondular embala, fazendo regressar à infância e adormecer no seio materno.
Eu sei ouvir e, raramente reclamo!
Eu sei aconselhar, sem cobrar!
Por isso, muitos me procuram porque transmito tranquilidade, serenidade e paz...
Está bem!...Serei justo!
Muitas vezes te vi, realmente, com os olhos a brilhar de felicidade. Ouvi, tantas e tantas vezes, as gargalhadas que soltaste, de alegria!
Até o teu sorriso aprendi a reconhecer...
Logo tu...um dos que mais me procuram!
Mas não és o único, descansa. Quantos desses e dessas que se acham Doutores em Afectos aqui vêm bradar, gritar, sangrar, rebentadas as máscaras, caídos dos ocos e frágeis pedestais onde se tinham colocado, convencidos e ufanos da sua sapiência!
Apesar de tudo, esse teu esquecimento, porque injusto, dói!...”
Mas, depois de tanto se lamentar, a voz calou-se...
Em vão tentei ouvir novas queixas, outros argumentos...
Apenas se escutava o marulhar das ondas, o piar das gaivotas e o entranhar das águas nas areias...
De novo fiquei só.
Não sei se foi sonho!
Não sei se foi realidade!
Mas, obrigado mar...
in "O Primeiro de Janeiro", a 25/3/2007

6 comentários:

kidzao disse...

Não resisto em falar-lhe.
Depois de tantos "posts" lidos e sedentos de um pequeno comentário humilde, cheguei ao máximo da prisão da minha profunda vontade.
Assim, é com este "Mar" que expludo.
Que Pessoa se esconde por detrás daquele que atira piadas e provocações, sorrisos místicos, olhares mascarados, cigarros atirados que ainda nem a meio estão...
Pois é, aqui, nesta pobre cidade me encontro. Porto - o sonho de minha alma. Apenas por ter, entre aquele iluminado mistério nocturno e a beleza da paisagem diurna, algo que me leva e eleva deste mundo acabado e raso: o Horizonte. Esse Mar, sim, esse Mar...
Saudades aqui ficam, Saudades aqui se encontram e explanam e se mostram àquele que me quis, sem querer, sussurrar ao ouvido palavras que ecoam e circulam nesta Razão e neste Coração, qual veneno consumidor de alma e olhar. Veneno de acção lenta.
Que humilde olhar mira por detras do invejável currículo possuído e que sábias palavras e lições são escondidas, pois poucos se dignam a apreciá-las e senti-las e praticá-las e, eloquentemente, degustá-las e...vivê-las.
O mais sincero e profundo Obrigado a si pelos sonhos, pelos abanões, pelas piadas que me tem proporcionado.
Peço desculpa, mas como humano e frágil que sou, não consegui conter esta vontade enorme de lhe falar escrevendo, sentindo o sabor diferente de cada letra aqui colocada.
Assim, regresso à realidade estúpida que me envolve. Mas, em breve, voltarei a sonhar...

Forte abraço,
Nuno Nogueira Ferreira.

Cristina disse...

Também há quem tenha um oceano no olhar, pelo amor de uma mulher, pelo amigo que se foi e por tudo mais que vier em tempos de inquietação.
A verdade até se pode esconder mas o seu barco, professor, vai por onde a sua mão guiar, afinal você tem sempre o Mar.

Amei o texto, todas as suas palavras e construção. De tudo o que já li, escrito por si, este "Mar" foi o que mais me marcou.

E como diria Voltaire
"Posso até discordar daquilo que dizes, mas defenderei até à morte o teu direito de o dizeres."

Beijinhos e sugestão "faça de tudo para ser muito feliz"

Patrícia disse...

bonito...cheio...completo
esta vida é "puta" (peço perdão)

Manuel Damas disse...

Bem...Nuno!
Depois do que li, sinceramente, senti-me diminuir!
Não me agradeça...façamos uma troca! Permita-me desafiá-lo para pôr mais "post".Será, deste modo, uma troca de sensações, de sentimentos, de postagens , de certeza, mutuamente enriquecedores, assim como, para quem os ler, um motivo de partilha.
Mas creio haver na parte final da sua mensagem um sinal de esperança.Ótimo!
Se quiser e nos der esse prazer, vá aparecendo e dando conta da sua presença. Um grande abraço

Manuel Damas disse...

O Mar, Cristina...Sempre o Mar!

Manuel Damas disse...

Não peça perdão, Patrícia! O vernáculo também se pode usar, ainda por cima, como acto de revolta!