terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

A MAIOR VIAGEM CONSISTE EM PERCORRER A DISTÂNCIA QUE SEPARA DUAS PESSOAS...



Escrevi esta frase e parei a reflectir...

A distância que separa duas pessoas...

Quantas e quantas vezes enorme distância, consubstanciada em olhares em direcções diferentes, em vontades dispares, em maneiras desiguais de ver, de olhar, de sentir, de pensar, de reflectir, de perspectivar, de sonhar, de amar!

Mas não há distância infinda e, que, acima de tudo, não seja transponível desde que haja vontade, força, coragem, persistência, diálogo e capacidade de negociação.

Quantas e quantas vezes, esta infindável distância se ultrapassa, num ápice, com um olhar, um sorriso, um gesto, um toque.

Basta querer!

E é conhecida a força que o querer tem!

E a distância, de tão longa, subitamente se transforma em ponte de união!

16 comentários:

macaw disse...

Concordo plenamente! força aí!!!!


bjinhos ;)

Casemiro dos Plásticos disse...

Tem toda a razão o professor.
abraço e boa semana.

Manuel Damas disse...

E vou mesmo precisar de força, maczinha, para esta viagem que me decidi a iniciar...
:))))))))))))))))))))))))))))))))))
Um beijo grande

Manuel Damas disse...

Um grande abraço, Casemiro e boa semana para si também!

BlueVelvet disse...

Querer e amar. Ou vice-versa?
Beijinhos

Manuel Damas disse...

As duas versões são possíveis e plausíveis, "blue"!
Beijinho grande

liamaral disse...

O problema é quando escolhemos alguém que não "rema" para o mesmo lado! Muda tudo e muito muito! Para pior!
:) Beijinho

Manuel Damas disse...

Pois, Lia...
Um beijinho grande.

Pierrot disse...

E verdade de longe se faz perto, de perto se faz longe basta querer...
HAJA FORÇA DE VONTADE!!!!

Manuel Damas disse...

E numa relação a vontade é primordial, Pierrot!
Um grande abraço

Gundemarus disse...

Hola meu caro amigo,
Vejo que chegaste a concluír o que eu viví y vivo em carnes proprias há já alguns anos... bem-vindo ao club dos viajantes no tempo/espaço.
Vês como mesmo estando longe continuo a rondar por perto?
Um abraço enorme.

Manuel Damas disse...

Meu querido Gundemarus...sê bem vindo...muito bem vindo mesmo, meu querido amigo!
E quero-te por cá mais vezes!
A chatice é que contigo as minhas máscaras nem sempre funcionam...conheces-me há tantos anos!!!
:))))))))))))))))))
Abreijo

Gundemarus disse...

Deixa lá isso, meu caro. Sabes que sou discreto, e isso de arruinar máscaras nao vai comigo...Nao sou quem.
"A gente vai-se "lendo"".
Mas lembra-te da responsabilidade acrescida de teres um leitor que te conhece os meandros da "mioleira".
Abreijo

Manuel Damas disse...

As responsabilidades de ter uma janela aberta para o mundo virtual sei-as todas de cor, meu caro!
:))))))))))))))))))))))))))))))))))
Abreijo

Bruno Romão disse...

Boa noite prof. infelizmente derivado da minha vida profissional tenho estado ausente do seu blog, não que não passe por cá para ler o que há de novo mas infelizmente nunca há oportunidade (com a devida tranquilidade) para fazer os comentários e/ou questões que gostaria de fazer.
Relativamente a este seu comentário, que sinto um pouco próximo da situação que estou a viver, julgo que nem sempre é assim tão fácil, especialmente quando o desnível socio-cultural das duas pessoas envolvidas é significativo, não que isso sirva de argumento para nem sequer se tentar. Mas acredito que quando o desnível a nível cultural é grande, não haverá muito a fazer. Penso que uma componente muito grande de qualquer relação é o diálogo e quando os temas do mesmo, perspectivas de vida, de um, nada têm a ver para os do outro, surge aí, normalmente, um foco de incompatibilidade muito grande. Aceito que diga que é uma perspectiva um pouco egoista da minha parte mas não me imagino a ouvir conversas sobre temas que nada me interessam (telenovelas, boatos da aldeia, relatos sobre a monótona vida campestre e sua rotina diária, já está certamente a ver ao que me refiro) ao mesmo tempo que não poderei falar sobre o programa Sexualidades, ou economia, ou politica, sociologia, enfim todos esses temas que alguem que observa e se interessa pelo planeta em que vive, em vez de se preocupar apenas com o seu cantinho, não que queira dizer isto num sentido pejorativo. Neste aspecto costumo dizer que por 2 peças de um puzzle não se encaixarem não significa que uma ou ambas sejam más, apenas acho que há desníveis que fazem com que seja quase impossível de uma ponte os unir.
Talvez tenha sido um pouco duro ou radical nas minhas opiniões, mas deixo essa crítica para si.
Abraços e Continuação de um excelente abraço

Manuel Damas disse...

Meu caro Bruno...
Pois lá está!
:))))))))))))))))))))))))))
Eu terei que discordar veementemente.
Ainda sou daqueles que acham que o amor tem capacidades que a razão desconhece.
Ainda sou daqueles que acham que por amor, tudo é possível.
E continuo a achar!
Porque quero!
E porque sinto!
E, acima de tudo, porque eu próprio o vivencio!
Volto a dizer-lhe do alto do meu passado profissional mas, acima de tudo, mergulhado, pessoalmente, num mesmo tipo de situação ou, quiça, ainda mais complicada que, tudo é possível quando se ama.
Tudo é possível quando o amor toma posse das decisões, das vontades e, acima de tudo, destroi as frias racionalidades.
E, depois, de todas as relações que já tive e olhe que não foram assim tão poucas, continuo a dizer que o amor é capaz de mover distâncias insondáveis.
Desculpe, mas continuo a ser assim!
Por isso, se ama mesmo, manda as suas racionalidades às ortigas...e ame, homem!
Se não resultar, pelo menos não ficará nunca com a pena de não ter tentado!
:))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))
Um grande abraço e vá-me dando notícias, lá mais para cima no blog, para não me obrigar a correr páginas e páginas!
:))))))))))))))))))))))))))))))))))))))
Por falar nisso..ainda não vi o seu comentário ao programa que está a decorrer sobre o tema que propôs!
:)))))))))))))))))))))))))))))