sábado, 13 de outubro de 2007

SEXUALIDADES, AFECTOS E MASCARAS-3ªEMISSAO


Foi para o ar a 3ª emissão do "Sexualidades, Afectos e Máscaras", na Porto Canal, desta vez subordinado ao tema "Orgasmo"!
Ainda a quente, sem ter visto e estudado a gravação, há algumas ilações que penso poder tirar, ainda que com algum receio de ser injusto ou demasiado exigente.
Se a exigência for excessiva, mais não será do que a confirmação da minha obsessão pelo perfeccionismo.
O tema, uma vez mais, foi escolhido propositadamente, por ser polémico, forte, mas ao mesmo tempo permitir pedagogia e motivar a participação.E resultou.
A emissão começou mal e de forma tensa e tardia.
Acho que não passou para o ar mas, no estúdio o gradiente de conflito era elevado, notando-se tensão no ar porque tinha sido um dia complicado em termos televisivos por causa do início do Congresso do PSD e da inauguração da nova Basílica de Fátima.
Como se não bastasse tinha estado a ser entrevistado João Loureiro sobre a sua demissão de Presidente do Boavista Futebol Clube e eventual recandidatura, que se estendeu demasiado (excedeu em 15 minutos a duração habitual do programa de entrevistas) obrigando ao cancelamento do programa imediatamente anterior ao nosso, o que induziu aumento da tensão no ar o que, ainda que indirectamente, nos contagiou e acabou por condicionar.
Quanto ao cenário ainda não consegui que me arranjassem uma mesa de apoio para o meu lado direito o que, só por si, já é um factor gerador de stresse pela questão que previamente expus, ou seja, o facto de não ter mãos que cheguem para gerir o "moleskine", a caneta, o casaco, o copo de água e o acto de tirar os óculos que, em mim, é mecânico e libertador de stresse e que, em televisão, resulta muito bem, transmitindo o ambiente intimista (isto na opinião dos profissionais)!
Assim sendo, ontem tive que abdicar do copo de água!...
Isto já para não dizer que segundos antes do programa começar o cenário ainda não estava pronto...
Dir-me-ão..."Manias de pseudo-vedeta!"
Respondo...Pequenas gotas que, todas juntas, fazem encher um copo e são desestabilizadoras.
De tal modo que o índice de "intimidade profissional" que mantinha com os "camera men" e me permitia entender e fazer-me entender apenas pelo olhar...ontem, pela enorme tensão acumulada, não conseguiu funcionar e eu, por vezes, quis interagir com a câmara mas o câmara estava a olhar para o lado ou a conversar...
São inconvenientes impensáveis em grandes cadeias de televisão mas que, em Portugal, existem e resistem, impedindo a progressão.
Mesmo assim, ainda sem ver a emissão, penso que posso afirmar, previamente e apesar de tudo, que correu muito bem.
Penso que o número de chamadas se manteve todavia fiquei com a noção de que o número de mensagens tinha aumentado, ainda que só possa ter a confirmação quando visualizar a emissão. Nem todas as mensagens que passam no rodapé são do nosso conhecimento.
A Maria José estava muito bem vestida e acho que manteve o perfil a que tem vindo a habituar os espectadores...profissionalismo contraído! E digo contraído não por que a sinta pouco à vontade, mas detentora de uma postura tensa do profissional pronto a agir...parece um arco, tenso, pronto a vibrar. Faz-me lembrar a imagem que os apresentadores da "Grande Reportagem" exibiam, há uns anos atrás! E eu era um assumido fã da "Grande Reportagem"!
Além de que se nota, perfeitamente, que é uma "pivot" que faz e sabe fazer o trabalho de casa!
Continua a ser um prazer e uma honra trabalhar, agora em televisão, com a Maria José!
Sou, ainda, obrigado a assumir que cada vez interagimos melhor, fazendo uma dupla "entrosada" e consistente.
Por nós as coisas funcionarão sempre e cada vez melhor!
Relativamente a mim, para além, das questões que já expus acerca da gestão corporal e da interacção com os profissionais dos bastidores, penso que estive mais solto, com um registo mais leve e mais fluido ainda que científico, até porque o tema a isso propiciava...excepto no momento em que, uma vez mais, tivemos uma chamada anónima e provocante que, desta vez, me conseguiu tirar completamente do sério, porque não estava à espera!
Diz quem viu que assumi uma expressão tensa e irritada...
Confesso que me senti indignado, possuído por uma irritação e um desdém enormes por quem não consegue respeitar quem está a trabalhar e a tentar fazer pedagogia!
Ontem, por momentos, foi-me extraordinariamente difícil o auto-controlo, pela enorme indignação que sentia!
Penso que a dicção saiu fluente, a gestualidade funcionou de forma adequada e consegui transmitir credibilidade e alguma intimidade!
E mais não posso nem devo avançar, correndo o risco de ter que me retractar...
Para quem diz que a terceira emissão era a prova de fogo penso, com o distanciamento afectivo e a imparcialidade possíveis, que superámos a prova com êxito!
Confirmo, ou não, quando visualizar a emissão, logo à noite.
Ficámos, contudo, com a noção do dever cumprido e, com qualidade.

4 comentários:

Mize disse...

Ainda não consegui ver toda a gravação, mas, do que vi estou satisfeita. Profissionalismo, posturas correctas, pedagogia no topo, como espectadora sente-se que é pouco tempo. Como espectadora. Não concordo quando me dizem, lá em casa, que os destaques não combinam...se calhar, mas nós estamos numa sala de estar, com gente inteligente que quer saber das «coisas» e em qualquer conversa inteligente a abertura pode ser com qualquer tema, a arte é saber fazer esquecer o «bloco de dois minutos de destaques» e depois concentrarmo-nos no tema. E acho que conseguimos fazê-lo bem. Poderá ser sempre melhor, com certeza, mas pra nós principiantes, considero com honestidade, que no portamos como veteranos. Sem modéstia, apenas com rigor. Quem me conhece sabe que sou a minha principal critica. Considero sempre que podia ter feito melhor, sempre, e é isso qu8e me motiva. Acredito que estamos no caminho certo.

Agora, Professor, senhor professor, tenho de lhe dizer que tem um dom. Disse-o ontem ao Pedro. Assistir ao programa, abstendo-me da minha própria pretstação , analisando apenas a sua, 20 valores. Por quê?
Eu explico.
O discurso fluente e semjpre interessante cativa até os mais distraídos. Consegue tratar temas que à priori parecem ser violentos com elegêncioa e com uma naturalidade que chega a arrepiar (é verdade), mais, é uma daquelas aulas que ninguém quer perder nunca, porque a matéria é fantástica e o professor é o máximo, e finalmente, isto de estarmos a ouvir gente de facto INTELIGENTE, num programa informativo é outro luxo.

Bem haja.

FM disse...

Sugiro que aguardem pelo compentário que surgirá aqui no "rústico" lá para as 06H00 am depois de EU visionar o programa 3. (risos)
Prometo não ser "mau".

Manuel Damas disse...

Obrigado, Maria José! e mai snão consigo dizer...

Manuel Damas disse...

Fico a espera, Francisco! E você sabe que eu fico mesmo à espera do seu comentário!
Até porque eu sei que você sabe!