segunda-feira, 31 de março de 2008

MANUEL PINHO vs ANTÓNIO BORGES



António Borges esteve até Fevereiro, na vice-presidência da Glodman Sachs, um dos maiores bancos mundiais de investimento.
Logicamente que até então, pelo exercício das suas funções profissionais, se encontrava inibido de ter demasiada visibilidade e, principalmente, de denunciar factos e querelas públicos e mesmo querrilha de bastidores.
Abandonado o lugar, vem agora revelar que no dia a seguir ao encerramento do Congresso do PSD de 2005, foi chamado ao gabinete do Ministro da Economia, Manuel Pinho, para lhe ser comunicado que "todos os contratos do Governo com a Goldman Sachs estavam cancelados".
Logicamente que o sucedido se prendia com as críticas oficiais por si produzidas nos diversos discursos proferidos no decorrer do Congresso do PSD, em defesa natural da moção por si apresentada.
Até ontem seria impensável pensar-se que um governo, fosse ele qual fosse, se atrevesse a beneficiar ou prejudicar uma qualquer empresa em virtude das opiniões políticas dos seus colaboradores ou altos quadros...
Mas, pelo desenrolar da questão, afinal não seria tão altamente improvável...
Na sequência das declarações prestadas por Borges, Manuel Pinho, Ministro da Economia e directamente acusado deu uma imagem ao País da falta de qualidade, de ética, de deontologia e de educação que este Governo vem cada vez mais demonstrando ao mais alto nível...
"Honestamente não me recordo..."
Como é tal possível?
Um Ministro de um qualquer Governo, mesmo português, mesmo socialista, não pode dizer que não se recorda!
O próprio ministro sentiu que o que estava a dizer não tinha consistência e, no minuto seguinte, tentou "emendar a mão" negando a existência de qualquer contrato prévio e, em sequência, de qualquer quebra do mesmo.
Isto tudo numa roda viva de atoardas lamentáveis mas manifestadoras, inclusivé, de algum cinismo.
Logo depois Pinho passa à ameaça e à crítica implícitas quando diz ter dos banqueiros uma imagem de "pessoas reservadas"...
Banqueiros reservados?
Por isso nos ultimos tempos alguns implodiram de reserva e/ou se demitiram ou foram aconselhados à demissão...
Teixeira Pinto, Jardim Gonçalves, Oliveria e Costa...
Chega?
Logicamente que o que se passou é verdade, todos o sabemos, mesmo não tendo estado naquele Gabinete, na data aprazada.
Mas também todos sabemos que com a voracidade dos tempos que passam, a informação que hoje ganha as luzes da ribalta amanhã passa ao esquecimento e dentro de dias deixará de existir e de ter qualquer tipo de consequência.
Mas as coisas não podem continuar assim!
Onde pára a Ética?
Porque não sou da cor do regime sou excluido, marginalizado, lançado ao esquecimento?
E a validade?
E a credibilidade?
E a competência?
Ou vamos para uma era em que apenas a identidade ideológica e de pensamento contam, a mesma identificação clubística e o compadrio de uma qualquer Mafia?
Não pode ser!
Enquanto português não o aceito!
É preciso ética na vida pública!
É preciso respeito!
É preciso decência!
Este País não se vai tornar, pela mão dos socretinos de triste figura, uma qualquer selva!
Custe o que custar, não vai!

17 comentários:

Mize disse...

Professor, ética na política ... foichão que já deu uvas! O pior é que não vislumbro as melhoras do sistema num futuro próximo.
E com este PS então...

beijinhos

Manuel Damas disse...

Se o chão já deu uvas, vai ter que voltar a dar!
:P
Um beijinho!

Olá!! disse...

Professor, já metia mãos ao caminho e ia ao meu blog roubar o selo de LUTO pelo governo....
Está na lateral.
Beijossssssss

conhecimento disse...

Antes de mais quero agradecer a sua visita, é sempre uma Honra receber ILUSTRES.
Sobre o nosso País, estamos bem tramados, estamos! Eu também tenho esperança que o chão volte a dar muitas UVAS.

Manuel Damas disse...

Oh "olazinha"...ainda há pouco por lá passei e agora vou meter as mãos ao caminho...para ir trabalhar.
Mais logo volto lá.
Um beijinho grande.

Manuel Damas disse...

Oh "conhecimento"...desculpe lá mas ilustres somos todos nós, os portugueses que sobrevivemos neste Portugal, em condições indignas, sem nos revoltarmos...
Por muito menos fez-se o 25 de Abril.
Mas enfim.
Um grande abraço

Mize disse...

proponho que aqui no seu cantinho dos desabafos apostemos numa nova revolução ideológica, onde os valores humanos se sobrepoêm aos dos interesses mesquinhos que apenas apontam no sentido único do poder e dos euros.
Claro que todos temos de comer. Claro que todos gostamos de conforto, de uma vida com qualidade, claro que todos gostamos de dinheiro. Mas temos de saber sempre que existe a HONRA. O nosso bom nome, que isso sim, é a maiorherança que podemos deixar ao futuro. É a nossa fortuna, ninguém a poder subtraír.
Vale a pena assinar de cabeça erguida.

bisturi disse...

Mas caro amigo Manuel...Damas .
Isto é mais um exemplo da política de rosto humano que o nosso primeiro nos quer vender agora!!!
Eu acho que é antes de máscara desumana e de um cinismo atroz e despudorado.
E se as mesas dos restaurantes da capital e do capital falassem ...ui...o que se ficava a saber!!!

PS...melhor post scriptum: em relação ao seu programa, não gosto do cenário. Mas naquele canal tudo é tão pobrezinho...paciência!
Não gostei da distância entre a entrevistadora(?) e vossa excelência.
Porque a cãmara baila entre os dois e perde-se o fio á meada...Deviam estar mais perto um do outro. Por motivos técnicos televisivos e se é para flirtar com a senhora dava jeito estar mais pertinho dela( eheheh).
Depois há momentos em que não se percebe quem é o protagonista da coisa...confuso!
Depois numa hora só dá para atender 4-5 chamadas de espectadores?
Que a senhora sua acompanhante não tenha atributos fisicos da concorrência a gente até percebe...mas estar a acentuar isso reiteradamente não achei elegante...pelo menos em TV e me directo...porque ela aturou demais! Parabéns para ela que se portou como uma senhora e com ideias bem assentes.
Mas explique lá aquilo de ir ao cabeleireiro de senhoras ?
Será que é para ter mais oportunidades de paqueirar alguma necessitada ...de conversa , está bom de ver...
Fiquei intrigado---
E fico-me por aqui...para já ...e para baralhar mais um bocadinho...pode ser?
Um abração

Manuel Damas disse...

E subscrevo na totalidade, Maria José, com empenho e devoção!
Um beijinho grande

Manuel Damas disse...

Meu caro "bisturi"...li e reli o seu "post"...
Confesso, todavia, que hoje, por razões estritamente pessoais, não estou na posse das minhas melhores capacidades. Aliás, deixo-me de hipocrisias...hoje não estou em termos para responder à letra tudo o que você aqui escreveu e que exige uma resposta condigna. Por isso, voltarei e conversaremos.

Blue Velvet disse...

Lamento contrariar, mas já se tornou!
Beijinhos e veludinhos

Waldorf disse...

Bisturi, faz lá o resto da operação que isto de estar anestesiado à espera de ser suturado, cansa-me!!!!

Aliás, cansas-me a incisão!!!!

Waldorf disse...

Damas, daqui do velho fica um abraço e um queijo da serra a puxar para o amanteigado!!!

Blue Velvet disse...

Não sei o que se passa, mas se está a precisar de um abraço, é melhor o meu do que o do velho:))))
Beijinhos
Veludinhos
Cetins

Waldorf disse...

Veluda, que raio de ciumeira é essa?!
Um abraço é sempre um abraço!!!!
Não há melhor nem pior!!!!

Aliás, como sabes tu se o meu abraço é melhor ou pior que o teu!!!

Gaijas!!!!
Bah!

Manuel Damas disse...

Os abraços sabem sempre bem, mas melhor nos momentos complicados.
Obrigado Waldorf.

Manuel Damas disse...

Um beijito grande, "Blue" .