terça-feira, 22 de janeiro de 2008

FERNANDO CABRAL


Efectuou-se hoje o funeral do meu querido Amigo Fernando Cabral, antigo Presidente da Câmara Municipal do Porto e com quem tive a honra e o privilégio de trabalhar na arena política.
Há pouco mais de 20 anos, era eu ainda estudante da Faculdade de Medicina do Porto e o Dr. Fernando Cabral, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, convidou-me para ser seu Assessor de Imprensa, na Câmara do Porto, o que constituiu uma experiência ímpar.
Fernando Cabral era um homem íntegro.
Um político de convicções, de antes quebrar que torcer.
Não é do domínio público mas, aquando da sua demissão de militante do PSD, e ainda Presidente da CMP, foi em sua casa que, contra minha vontade e da sua mulher, Dra. Conceição Cabral, escrevemos, de madrugada, a várias mãos, aquela que viria a ser a sua famosa carta de demissão em que, descontente com a política que então se seguia e, principalmente por achar que o Governo não estava saber respeitar a sua cidade, do Porto, acabou por bater a porta, com estrondo, opondo-se a que o Governo aumentasse o preço da luz na Cidade Invicta. Nessa mesma noite fui seguido por diversos jornalistas quando, ao abandonar a casa, tentaram perceber o que faria o Assessor de Imprensa do Presidente em sua casa até de madrugada, num momento em que a Câmara estava a arder, em litígio com o Governo do PSD.
Mas isto porque Fernando Cabral era um político que punha a sua cidade acima do partido e não abdicava da integridade.
Foi muito criticado por, quando terminou o mandato, ter deixado os cofres camarários cheios de dinheiro.
Muitas vezes o contestei por isso mas ele, invariavelmente me respondia..."Damas...eu não sou de teatro nem de obras de fachada! Eu sou de acção. Muito mais importante do que inaugurações é assegurar que na Câmara fica dinheiro suficiente para pagar o vencimento dos funcionários que são o sustento das suas famílias!"
E assim deixou largos milhões de euros a serem desbastados, em inaugurações faustosas, pelo seu sucessor, Fernando Gomes!
A título de exemplo, o meu vencimento à altura eram 70 contos, em moeda portuguesa.
O meu substituto veio receber, logo de entrada, 400 contos, por idênticas funções!
Critérios diferentes, personalidades e preocupações dispares, maneiras de ser e estar antagónicas!
Da Câmara sairia eu, meses depois, no fim do contrato, para abrir as portas da Sexologia, pelas mãos do meu querido Amigo Júlio Machado Vaz...mas isso são outras histórias.
Um grande abraço, Fernando Cabral e vou sentir a sua falta!

8 comentários:

mik@ disse...

bem... ao contrário do post acima...

lamento a sua perda. perder amigos é sempre difícil mas acho que ficamos felizes por nos termos cruzado com eles e terem preenchido a nossa vida.

beijinhos

Manuel Damas disse...

Obrigado "micas". Um beiinho grande

Cristina disse...

Perder um amigo, é doloroso. Tratando-se de alguém que nos fez feliz, ensinou, encaminhou, enfim que preencheu a nossa vida, é ainda mais doloroso. Há amigos que são verdadeiros anjos, por isso, acredito que ele estará sempre presente na sua vida.
Sempre admirei o Dr. Fernando Cabral pela sua atitude. Não privei com ele mas sempre admirei. Hoje, fiquei chocada e triste o ler aqui que nos tinha deixado.
Que fique em Paz!

Olá!! disse...

Abraço, Professor

Mize disse...

Carinho nesta hora complicada.
Beijinho.

Manuel Damas disse...

Um beijinho, Cristina.

Manuel Damas disse...

Beijito, "Olá"...

Manuel Damas disse...

Beijinho bom, Maria José.